Eduardo Bandeira de Mello

Eduardo Bandeira de Mello adiou viagem por causa da crise do Flamengo (foto: Wagner Meier)

LANCE!
23/05/2016
17:21
Rio de Janeiro (RJ)

A crise é grande no Flamengo. Nesta segunda-feira, o grupo político Sócios Pelo Flamengo (SóFla) divulgou uma carta demostrando insatisfação com o péssimo momento do futebol do clube. O que chama atenção é que esta associação é da base de apoio do presidente Eduardo Bandeira de Mello. 

O grupo reconhece avanços na administração do clube, mas faz uma série de reivindicações. Entre elas, está a contratação de um gerente para o departamento de futebol. Os sócios também estão contrários à posição do presidente, de chefiar a delegação da Seleção Brasileira na Copa América.

Confira, abaixo, as reivindicações:

'1. Cobramos senso de urgência para dar ao Flamengo um futebol do tamanho da sua grandeza. O compromisso eleitoral de tratar o futebol como prioridade no triênio 2016-2018 é uma diretriz inegociável e irretratável. E o comando do clube vem falhando nisso;

2. Demandamos a implantação das reformas nos quatro eixos fundamentais do futebol (Gestão, Avaliação de Desempenho e Inteligência de Mercado, Capacitação e Categorias de Base), nos exatos termos do Plano de Metas apresentado no último ciclo eleitoral;

3. Reivindicamos a imediata contratação de um gerente de futebol para aprimorar a condução esportiva/técnica do departamento. Um profissional capaz de acompanhar as metas estabelecidas para a comissão técnica e para o elenco, com comparação entre os resultados de campo e a tática, a performance individual e o método empregado nos treinamentos;

4. Cobramos empenho e proatividade na busca de uma solução de estádio para o Flamengo mandar seus jogos na cidade do Rio de Janeiro. A forma apática e desinteressada com que o tema foi conduzido nos últimos meses exprime falha de planejamento e falta de atenção com o torcedor;

5. Manifestamos nossa total discordância com a decisão do presidente de se ausentar do país pelas próximas semanas, justamente neste momento em que todos os esforços deveriam ser concentrados no Flamengo. Assombra-nos a resolução do mandatário em atender, sem hesitação, ao chamado de outra instituição que não o clube.'