Gabriel Carneiro
09/11/2016
18:50
São Paulo (SP)

Rodriguinho não participou do treinamento em campo desta quarta-feira, mas foi o porta-voz dos jogadores do Corinthians em entrevista coletiva no CT Joaquim Grava. Quatro dias após a goleada sofrida diante do São Paulo pelo Campeonato Brasileiro, o camisa 26 apareceu na sala de imprensa com uma bolsa de gelo no joelho direito e a língua afiada. Incomodado com as provocações do rival após os 4 a 0 no fim de semana, o meia lembrou até o 6 a 1 do ano passado para responder aos tricolores.

- Deixa eles aproveitarem, né? O futebol ficou meio chato em relação a isso, ninguém pode brincar, zoar. Eu lembro de um 6 a 1 também até hoje, então deixa eles aproveitarem também. Cada um aproveita na sua hora e está tudo certo - disse Rodriguinho, titular do Corinthians tanto nos 6 a 1 de 2015, quando nos 4 a 0 de 2016.

O experiente meio-campista sabe que o Corinthians precisa reagir no Campeonato Brasileiro após sofrer a goleada. A equipe se deu bem no complemento da 34ª rodada por nenhum adversário direto pelo G6 também ter vencido (o Botafogo só empatou e Atlético-PR, Grêmio, Fluminense e Ponte Preta também perderam) e agora espera voltar a vencer no próximo meio de semana para seguir na briga pela vaga na Libertadores. Rodriguinho aposta em classificação do Corinthians para o torneio continental.

- A gente teve um ano todo muito difícil, até com o Tite a equipe deu uma oscilada, não conseguiu encontrar a melhor forma de jogar e encantar, como todos esperavam. Estamos trabalhando, mas ainda não deu liga. A gente tem que no mínimo achar, buscar, trabalhar para que a vaga na Libertadores venha. Não sei de que forma, estamos fazendo todo o possível, mas temos que ter esse objetivo na cabeça, porque 2017 tem que ser diferente desse ano. E a vaga na Libertadores é importante para isso. Mas eu apostaria (no Corinthians) em qualquer situação, sim. Por estar vestindo essa camisa e saber o potencial de quem está aqui. Estamos passando por um momento difícil, mas na minha convicção, a gente tem o dever de conseguir essa vaga.

Caso os objetivos se concretizem e o Corinthians alcance a vaga na Libertadores, não é certeza que Rodriguinho representará a equipe mais uma vez no torneio continental. O jogador, que é vice-artilheiro da equipe e terceiro em número de assistências na temporada, é alvo de assédio internacional desde o meio do ano, e está deixando para pensar neste assunto depois do Brasileirão.

- Eu prefiro que não cheguem as informações (de interesse de outros clubes). Se você quiser manter contato com empresário, tudo bem. Se não afetar, sem problema. Mas você tem que estar focado no seu trabalho. Minha cabeça é no Corinthians, primeiro de classificar para a Libertadores, que vai fazer bem para o nosso ano de 2017. Não penso muito se vai acontecer proposta, isso será fruto do trabalho. Pode acontecer (saída) com qualquer um que está aqui, como já saíram outros, vão chegar outros, futebol é assim. Se você está em momento bom saem coisas boas, é uma coisa normal - disse o meia.