icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
30/08/2015
10:30

Foram cinco anos como titular absoluto do Corinthians. Agora, Ralf virou um reserva de luxo, quase sempre chamado por Tite nos minutos finais dos jogos para ajudar a “segurar a bronca”. Até que ponto, porém, Ralf ainda consegue ser aquele marcador implacável que o tornou unanimidade nas principais conquistas da história recente?

Neste domingo, às 16h, diante da Chapecoense, em Chapecó (SC), o camisa 5 será titular na vaga de Bruno Henrique, que está suspenso. Ele espera fechar a casa e ajudar o Timão a manter folga na ponta da tabela – a vantagem é de quatro pontos para o vice-líder Atlético-MG. Para isso, precisa recuperar o espírito de "Cão de Guarda" que perdeu. Sua média de desarmes, de 1,8 por partida neste Brasileiro, é a pior entre os últimos que disputou (números abaixo).

Seu desempenho na derrota por 2 a 1 para o Santos, na última quarta-feira, pela Copa do Brasil, surpreendeu negativamente. A falta de ritmo de jogo e do tempo de bola foram visíveis. Ele não atuava por 90 minutos em uma partida desde o amistoso com o ABC-RN, com a equipe reserva, no dia 22 de julho. Em jogos oficiais, o último jogo completo havia sido contra o Santos, pelo Brasileirão, no dia 20 de junho. De lá para cá, só vinha entrando no segundo tempo.

Em entrevista coletiva na última sexta-feira, Tite fez questão de dizer que o volante está em forma e com os mesmos índices de peso e gordura que no tinha em seu auge pelo clube, segundo exames recentes que o próprio comandante pediu para ver.

No duelo deste domingo, Ralf também espera reviver o prestígio que gozava com torcedores e que lhe davam moral no Corinthians. Sua situação, hoje, é atípica. Ele tem contrato apenas até o fim de dezembro deste ano e já sabe que a renovação é improvável, ainda mais sendo reserva com um dos maiores salários do elenco.

Nos últimos meses, ele teve diversas chances de sair para clubes do Brasil e do exterior, mas preferiu ficar e sair livre, se for o caso, em janeiro de 2016. A diretoria alvinegra esperava negociá-lo com o Al Ain, dos Emirados Árabes Unidos, mas o camisa 5 e seus empresários recusaram a proposta. Agora, só resta esperar chegar o fim do ano...

LANCE! FOOTSTATS – RALF NOS ÚLTIMOS BRASILEIROS

2011

Desarmes> 158
Jogos> 33
Média> 4,8

2012

Desarmes> 104
Jogos> 29
Média> 3,6

2013

Desarmes> 151
Jogos> 36
Média> 4,2

2014

Desarmes> 86
Jogos> 30
Média> 2,8

2015
Desarmes> 25
Jogos> 14
Média> 1,8

OUTRAS OPÇÕES DE PRIMEIRO VOLANTE

Bruno Henrique
Conquistou a posição de titular no duelo contra o Figueirense e não saiu mais. Tem sido um destaque da equipe de Tite e só não joga hoje porque está suspenso por cartão.

Cristian
Teve breve sequência como titular, mas se lesionou e voltou sem espaço. Principal contratação para a temporada, ele tem um dos maiores salários do elenco e ainda não se firmou.

Foram cinco anos como titular absoluto do Corinthians. Agora, Ralf virou um reserva de luxo, quase sempre chamado por Tite nos minutos finais dos jogos para ajudar a “segurar a bronca”. Até que ponto, porém, Ralf ainda consegue ser aquele marcador implacável que o tornou unanimidade nas principais conquistas da história recente?

Neste domingo, às 16h, diante da Chapecoense, em Chapecó (SC), o camisa 5 será titular na vaga de Bruno Henrique, que está suspenso. Ele espera fechar a casa e ajudar o Timão a manter folga na ponta da tabela – a vantagem é de quatro pontos para o vice-líder Atlético-MG. Para isso, precisa recuperar o espírito de "Cão de Guarda" que perdeu. Sua média de desarmes, de 1,8 por partida neste Brasileiro, é a pior entre os últimos que disputou (números abaixo).

Seu desempenho na derrota por 2 a 1 para o Santos, na última quarta-feira, pela Copa do Brasil, surpreendeu negativamente. A falta de ritmo de jogo e do tempo de bola foram visíveis. Ele não atuava por 90 minutos em uma partida desde o amistoso com o ABC-RN, com a equipe reserva, no dia 22 de julho. Em jogos oficiais, o último jogo completo havia sido contra o Santos, pelo Brasileirão, no dia 20 de junho. De lá para cá, só vinha entrando no segundo tempo.

Em entrevista coletiva na última sexta-feira, Tite fez questão de dizer que o volante está em forma e com os mesmos índices de peso e gordura que no tinha em seu auge pelo clube, segundo exames recentes que o próprio comandante pediu para ver.

No duelo deste domingo, Ralf também espera reviver o prestígio que gozava com torcedores e que lhe davam moral no Corinthians. Sua situação, hoje, é atípica. Ele tem contrato apenas até o fim de dezembro deste ano e já sabe que a renovação é improvável, ainda mais sendo reserva com um dos maiores salários do elenco.

Nos últimos meses, ele teve diversas chances de sair para clubes do Brasil e do exterior, mas preferiu ficar e sair livre, se for o caso, em janeiro de 2016. A diretoria alvinegra esperava negociá-lo com o Al Ain, dos Emirados Árabes Unidos, mas o camisa 5 e seus empresários recusaram a proposta. Agora, só resta esperar chegar o fim do ano...

LANCE! FOOTSTATS – RALF NOS ÚLTIMOS BRASILEIROS

2011

Desarmes> 158
Jogos> 33
Média> 4,8

2012

Desarmes> 104
Jogos> 29
Média> 3,6

2013

Desarmes> 151
Jogos> 36
Média> 4,2

2014

Desarmes> 86
Jogos> 30
Média> 2,8

2015
Desarmes> 25
Jogos> 14
Média> 1,8

OUTRAS OPÇÕES DE PRIMEIRO VOLANTE

Bruno Henrique
Conquistou a posição de titular no duelo contra o Figueirense e não saiu mais. Tem sido um destaque da equipe de Tite e só não joga hoje porque está suspenso por cartão.

Cristian
Teve breve sequência como titular, mas se lesionou e voltou sem espaço. Principal contratação para a temporada, ele tem um dos maiores salários do elenco e ainda não se firmou.