Gabriel Carneiro
19/06/2016
07:30
São Paulo (SP)

"Não é fácil ficar na reserva". "Não cheguei agora, faz quase dois anos que estou aqui". "Ninguém demonstra seu futebol em 15 minutos, tem que dar sequência". A timidez demonstrada desde a chegada ao Corinthians, em junho de 2014, não impediu o paraguaio Ángel Romero de desabafar sobre sua situação no elenco em entrevista recente. O incômodo era evidente, e as queixas foram ouvidas. Neste domingo, às 16h, contra o Botafogo, o camisa 11 é a grande novidade do Timão. Trata-se da primeira alteração por opção de Fabio Carille, técnico interino enquanto o clube não acha ninguém para a vaga de Tite - Cristóvão Borges, ex-Atlético-PR é o favorito à vaga.

Romero chegou a confessar a pessoas próximas que não entendia a falta de chances com Tite. O paraguaio é simplesmente o principal artilheiro do ano, com nove gols, e maior goleador do atual elenco na arena de Itaquera, com 11. Mesmo assim, ele foi titular em só 12 jogos oficiais no ano – mesma quantidade de Luciano, que ao contrário de Romero não fez um único gol no ano.

É justamente na vaga de Luciano que Romero terá sua grande chance. O centroavante já vinha tendo atuações contestáveis, e mesmo Tite já pensava em sacá-lo da equipe. Com o novo técnico da Seleção, porém, André era a opção imediata, e não Romero, a quem Tite não via como centroavante, e sim jogador de lado de campo. No segundo jogo após a saída de Tite, Carille fez sua aposta, e agora espera resultados práticos.

– Todo mundo quer jogar. Eu tenho a vontade de voltar a ser titular, mas nós temos uma concorrência muito forte no ataque. Eu trabalho a cada treino, tento fazer o meu melhor para aproveitar cada oportunidade – assegurou Romero, em entrevista recente ao L!.

Desde 2014 no Corinthians, o paraguaio soma 73 partidas e 14 gols marcados até o momento. Seu último jogo foi há quase um mês, na derrota diante do Vitória, pela segunda rodada do Brasileirão. Desde então, Romero amargou a falta de oportunidades no Timão, algo que despertou seu desejo de sair do clube.

Com representantes na Europa para buscar propostas, o camisa 11 barrou interessados quando descobriu a chance de Tite deixar o Corinthians. Apesar de ser agradecido ao treinador, ele viu na troca de comando uma oportunidade de voltar a ser titular. Talvez não esperasse isso tão cedo.