Rafael Pereira e Vinícius Britto
11/10/2016
06:00
Rio de Janeiro (RJ)

O jogo entre Botafogo e Internacional desta quarta irá marcar o reencontro do Glorioso com o atacante Vitinho, revelado em General Severiano e que teve papel importante no Alvinegro de 2013, quando fazia parte do time que venceu o Carioca e era comandado por Oswaldo de Oliveira e o holandês Seedorf.

Apesar da curta passagem, o período de Vitinho com a camisa do Botafogo foi intenso. Revelado na geração que conquistou o Carioca de juniores, em 2011, o jogador chegou aos profissionais em 2012, junto com Oswaldo de Oliveira. Foi a sua geração, com nomes também como Dória, Gilberto e Gabriel, que devolveu na época o prestígio as divisões de base do Botafogo, que não revelava grandes nomes e vinha de seguidos fracassos nos torneios da categoria júnior.

Depois de um período de adaptação, foi em 2013 que Vitinho deslanchou. Com belos gols, se tornou jogador de confiança para Oswaldo no segundo tempo. Contra o Flamengo, na semifinal da Taça Guanabara, marcou o segundo gol e foi importante na vitória que resultaria, posteriormente, no título estadual.

Contudo, foi na campanha do Brasileirão que Vitinho mostrou suas principais credenciais. Com as vendas de Fellype Gabriel e Andrezinho, ele assumiu a vaga no meio, ao lado de Seedorf e Lodeiro. Com finalizações precisas, além de boas arrancadas, Vitinho brilhou no Botafogo que era então líder do campeonato.


Sua relação com Seedorf também foi muito valorosa. O holandês buscava dar conselhos ao então garoto, que era criticado por prender muito a bola. A aproximação dos dois foi uma das grandes histórias do Glorioso na temporada de 2013. 

Essa relação entre Vitinho e Botafogo foi de céu para o inferno em questão de dias. Principal revelação do Brasileirão na época, o atacante aceitou a proposta do CSKA-RUS - que cobria sua multa rescisória - e deixou o Alvinegro no meio do torneio. Coincidentemente, o time perdeu força e não conseguiu chegar junto com o Cruzeiro na briga pelo título. O valor da sua venda (R$ 31,6 milhões) foi o maior arrecadado pelo clube em venda neste século.

Agora, o atacante enfrenta pela primeira vez o ex-clube. No primeiro turno, na vitória do Botafogo por 3 a 2, contra o Inter, no Beira-Rio, Vitinho estava suspenso e não jogou. Nesta quarta, ele vai como principal esperança de gol do Colorado. E outro destaque do Glorioso falou sobre a relação com o atacante.

- Ele subiu primeiro para os profissionais. Eu subi dois meses depois. Fomos campeões cariocas juntos e depois ele seguiu a carreira dele - disse Sassá, que quando perguntado sobre a vontade de ter ele de volta no time, não titubeou:

- Acho que é difícil ele voltar, na realidade. Ele tem contrato com o time lá da Rússia. Mas no futebol, nada é impossível. Ele é um grande jogador e quero os melhores comigo, sempre - admite o centroavante artilheiro do Botafogo.

No Botafogo, Vitinho disputou 41 partidas e marcou 11 gols, conquistando o Campeonato Carioca de 2013. Rápida e intensa, a passagem do garoto de General Severiano foi marcada por momentos de felicidade e de decepções.