Victor Ramos (Foto: Divulgação)

Victor Ramos reestreou pelo Vitória, que enfrenta problemas por conta do registro do zagueiro (Foto: Divulgação)

RADAR/LANCE!
29/03/2016
09:51
Salvador (BA)

A escalação do zagueiro Victor Ramos na partida do Vitória contra o Flamengo de Guanambi, no último sábado, tem gerado muita confusão no Campeonato Baiano. Isso porque, o time do interior, que foi derrotado por 3 a 0, sendo eliminado do torneio, alega que o defensor, contratado recentemente junto ao Monterrey, do México, atuou de forma irregular.

A alegação do Flamengo é de que Victor chegou ao Vitória por meio de uma transferência internacional, após o período de inscrições para este tipo de negociação, devido ao vínculo dele com o Monterrey. Como o defensor jogou no Palmeiras, no ano passado, os rubro-negros se defendem, afirmando que a transferência nacional e que o clube tinha uma autorização especial para a regularização de Victor em tempo de jogar o Estadual.

Para buscar seus direitos, o Flamengo de Guanambi acionou o Tribunal de Justiça Desportiva da Bahia (TJD-BA) pedindo a eliminação do Vitória do Campeonato Estadual. O clube do interior busca apoio de Bahia e Fluminense de Feira, para ganhar força para eliminar o Rubro-Negro da disputa.

- Acabamos de dar entrada (com a ação contra o Vitória). Amanhã (terça) o Bahia dará entrada no processo como terceiro interessado. A gente está conversando com Roberto Carlos, presidente do Juazeirense, nos disse que sim, também tem interesse. Passei o contato do nosso advogado para que eles conversassem. Ainda não conversei com o pessoal do Fluminense de Feira - disse Thiago Dantas, diretor do Flamengo, em entrevista ao 'Globoesporte.com".

O presidente do Vitória, Raimundo Viana, afirma que tanto a Federação Bahiana quanto a CBF analisaram o caso e deram aval para que Victor jogasse. O presidente alega que após sair do Palmeiras, apesar de estar vinculado ao Monterrey, Victor não voltou para o México para se apresentar ao clube de lá.

Eu estou dizendo que o Vitória fez um contrato com o Monterrey. Levamos esse contrato à FBF, que submeteu à CBF. E a CBF, depois de analisar todos os aspectos, inscreveu o jogador no BID dando condição de jogo. E nós pudemos lançá-lo. Na CBF, para que isso ocorresse era preciso que a transferência fosse internacional ou que fosse nacional. E por que foi interna? O Victor não retornou para o México. Toda a situação dele estava no Brasil. Quem tinha que fazer a transferência? A CBF. Logo, tudo resolvido - disse Raimundo Viana.

Em nota emitida na noite desta segunda-feira, a Federação Bahiana de Futebol afirmou que a transferência de Victor Ramos foi feita em âmbito nacional, o que dá razão ao Vitória.

- A Federação Bahiana de Futebol - FBF, diante da repercussão decorrente da inscrição do atleta Victor Ramos Ferreira no Campeonato Baiano de Futebol Profissional Série A - 2016, pelo Esporte Clube Vitória, VEM TORNAR PÚBLICO que a mesma se deu com base em contrato regularmente registrado em 16/03/2016 (confira ao final da nota) e em informação da CBF, posteriormente ratificada por e-mail (Confira ao final da nota), no sentido de que se tratou de transferência nacional, pois o ITC (Certificado de Transferência Internacional) já estava no Brasil, uma vez que, após ter tido o seu vínculo com o Palmeiras/SP encerrado em 31 de dezembro de 2015, o jogador não retornou para o Monterrey, clube mexicano detentor dos seus direitos federativos e econômicos, que, inclusive, não solicitou o apontado retorno.

A informação posteriormente ratificada foi prestada pela Confederação Brasileira de Futebol em resposta a consulta da FBF, conforme ofício abaixo, que assim agiu com a cautela que a situação recomendava - diz a nota.