Fernando Diniz

Fernando Diniz disse que o Vasco tem que se preparar para o clássico contra o Botafogo (Reprodução / Vasco TV)

LANCE!
04/11/2021
22:18
Rio de Janeiro (RJ)

Com mais uma derrota na Série B, o Vasco se complicou de vez e está cada vez mais distante do acesso. Em entrevista coletiva, o técnico Fernando Diniz disse que a equipe irá lutar até o fim, enquanto tiver chance matemática de subir. Além disso, ele disse que o pênalti perdido por Cano acabou desmontando o time, que sofreu o gol do Guarani em um rápido contra-ataque. 

- Eu acho que perder o pênalti deixou a equipe um pouco desmobilizada. Tivemos a chance de matar o contra-ataque do escanteio, que acabou culminando com o gol da vitória do Guarani. Em relação ao clássico temos que continuar trabalhando, temos cinco jogos pela frente e temos que tentar fazer cinco vitórias - disse o comandante.

+ Confira e simule a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro 

O treinador afirmou que o Cruz-Maltino tem que se preparar para o clássico diante do Botafogo, domingo, às 16h, e buscar as cinco vitórias nas rodadas que restam. Apesar da dificuldade, ele disse que o foco ainda é 2021 e não vai pensar ou planejar a próxima temporada, enquanto a equipe tiver alguma chance. 

- Sentir, a gente sentiu mesmo, temos que sentir bastante, a dor, tristeza pelas duas derrotas, e por ter ficado mais difícil o acesso. Difícil não quer dizer impossível. A gente tem que pensar totalmente no próximo jogo contra o Botafogo e conseguir as próximas vitórias que a gente precisa. É muito anormal algumas coisas que aconteceram aqui, de maneira negativa. O pênalti do CRB (do Nene contra o Sampaio Corrêa), o número de defesas do goleiro naquele dia, hoje praticamente com a vitória na mão, jogamos melhor, controlamos boa parte do jogo. A gente, além de perder a chance da vitória com o pênalti, tomamos um gol de contra-ataque. Temos que acreditar até o final porque só assim temos a chance de reverter esse quadro - frisou, e emendou:

- O que eu posso falar é o seguinte, eu vou pensar só em 2021 neste momento. Eu adoro trabalhar no Vasco, eu estou fazendo tudo que eu posso e que eu consigo para que a equipe consiga evoluir e consiga sonhar com o acesso. Não é um discurso político, eu de fato gosto do Vasco, as pessoas que trabalham no clube são extremamente empenhadas em ajudar e a torcida é uma coisa que encanta, é um negócio mágico. Por isso me machuca mais. É uma torcida diferente. O Vasco tem muitas coisas que eu gosto, gosto de estar aqui - completou.

+ ATUAÇÕES: Cano perde pênalti no fim e recebe a pior nota na derrota do Vasco

Com 47 pontos, o Vasco tem que vencer as cinco partidas para ainda sonhar com o acesso. O time não pode mais chegar ao número mágico de 64 pontos, citado pelo diretor executivo Alexandre Pássaro. Na temporada passada, o Cuiabá ficou com a quarta colocação com 64. No ano anterior, o Atlético-GO ficou com o acesso com 62.