Caio Henrique

Jogador deixou o Peixe ainda com 18 anos e sem jogar pelo time profissional (Foto: Divulgação/Santos FC)

Fábio Lázaro
26/08/2020
16:06
Santos (SP)

O Atlético de Madrid (ESP) acertou a venda do lateral-esquerdo Caio Henrique ao Mônaco (FRA). Revelado pelo Santos, o Peixe ganhará cerca de R$ 4 milhões com o negócio.

O Alvinegro Praiano tem direito a 3% do valor negociado, por ser o clube formador, já que o atleta deixou a equipe santista para se transferir ao futebol espanhol com 18 anos. Porém, o Santos tem um acordo com o Atlético que prevê pagamento de mais 5% pela venda, totalizando 8% direcionado ao Peixe.

A informação do direito em acordo com os Colchoneros foi dada primeiro pela “Gazeta Esportiva” e confirmada pelo LANCE!.

Com a ida de Caio Henrique ao Mônaco tendo custado 8 milhões de euros (R$ 53 mi na cotação atual), 640 mil euros (R$ 4,2 mi) será destinado aos cofres santistas. No entanto, os 240 mil euros (R$ 1,5 mi) do montante pode ser parcelado, segundo as regras do mecanismo de solidariedade.

Problemas financeiros

A notícia da venda de Caio Henrique ao Mônaco vem em boa hora para a diretoria santista, que busca soluções para estancar problemas financeiros, o principal deles a dívida de 4,1 milhões de euros (R$ 27,2 mi) pelo não pagamento ao Hamburgo (ALE) pela contratação do zagueiro Cléber Reis, atualmente emprestado à Ponte Preta. O jogador foi adquirido em 2017, ainda na administração anterior, presidida por Modesto Roma Júnior, mas os alemães nunca foram pagos. Em março, a Fifa bloqueou o Peixe de registrar novos jogadores até que arque a dívida. O valor original da dívida representa 2,5 milhões de euros (R$ 16,6 mi), sendo o restante referente aos juros e multas. de

Com a venda de Eduardo Sasha ao Atlético-MG por R$ 10 milhões e o pagamento de pendências de outros clubes para com o Santos, como o Al Alhi e o Athletico-PR, o Peixe já conseguiu levantar o valor original da dívida e agora tenta convencer os alemães a aceitarem a entrada para retirar a sanção.

Além disso, o Alvinegro Praiano é alvo de outras possíveis ações por pendências com o Huachipato (CHI), que alega não pagamento de 3,4 milhões de dólares (R$ 19 mi), pelo não pagamento na compra do atacante Soteldo, em 2019, e o Atlético Nacional (COL), que cobra duas parcelas, que totalizam 774 mil dólares (R$ 4,2 mi) não pagas pela contratação do zagueiro Felipe Aguilar, hoje no Athletico-PR, contratado pelo Santos também no ano passado.

O Peixe ainda possui dívidas com jogadores do elenco atual, principalmente referente ao ressarcimento de parte do corte salarial feito nos meses em que o futebol esteve parado, por conta da pandemia do novo coronavírus. Entre abril e junho, os atletas receberam apenas 30% dos seus vencimentos, mesmo sem ter firmado acordo de rescisão com a diretoria santista, o que culminou no processo trabalhista de Éverson e Sasha contra o clube.

A ideia é utilizar todos os recebíveis que forem depositados, para quitar ou negociar essas pendências. Portanto, a expectativa é de recebimento de parte do valor da contratação de Caio Henrique pelo Mônaco (FRA) já no ato da compra.