José Carlos Peres

Peres discutiu com o empresário de Caju nesta quinta-feira, na Vila Belmiro (Gabriela Brino)

Arthur Faria
11/07/2019
20:45
Santos (SP)

O presidente do Santos, José Carlos Peres, e o agente do lateral-esquerdo Caju, Anderson Francisco, foram protagonistas de uma confusão na frente da Vila Belmiro nesta quinta-feira. O empresário do jogador negou que tenha empurrado o mandatário do Peixe.

A confusão aconteceu pelo "sumiço" de Peres na negociação entre o estafe de Caju e o Braga-POR. As duas partes ainda não se acertaram porque o Santos quer mais 100 mil euros para liberar o defensor, que, inclusive, queria conversar com o presidente, mas não foi atendido. 

- Já vimos que o Caju não terá oportunidade e não queremos lesar o Santos. O presidente pediu 600 mil euros, mas só consegui 500 mil (com o Braga). O Peres disse que conversaria com o Caju ontem, mas ficou nos deixando esperar por 5h. Ele alegou que estava com pressão alta, mas dá 10 minutos e o vemos dando risada, atendendo outra pessoa na nossa frente. Hoje, quando cheguei na Vila para conversar, o Peres estava saindo, pedi para conversarmos e não prejudicar o Santos. Ele gritou comigo, fui para cima dele, mas os seguranças apartaram - afirmou Anderson. 

- Eu fui falar que ele aceitou vender o Vecchio por 500 mil euros, não estávamos querendo prejudicar. Ele veio gritando que só ia liberar se tivesse 30% de uma futura venda do Caju - emendou o agente.

Anderson ressaltou que o Santos economizaria cerca de R$ 1,5 milhão de salários e encargos se liberasse Caju neste mês para o Braga-POR. 

- A gente quer que Caju inicie a temporada jogando. Estamos abrindo mão do que temos para receber, o Santos economiza 1 milhão de salário e 500 mil reais de encargos até dezembro - explicou o agente.

Caju foi emprestado ao Apoel-CHI na temporada passada, teve o aval do técnico Jorge Sampaoli para retornar, porém não deve ser utilizado pela forte concorrência com Jorge e Felipe Jonatan.