Aos 28 anos, Lucas Lima busca seu primeiro título nacional na carreira

Aos 28 anos, Lucas Lima busca seu primeiro título nacional na carreira e logo na 1ª temporada no Verdão (Divulgação)

William Correia
23/11/2018
13:14
São Paulo (SP)

A torcida já prepara uma festa para o embarque do Palmeiras neste sábado, para o Rio de Janeiro, e também uma recepção calorosa já na cidade do jogo deste domingo, contra o Vasco, em ação já conhecida como "aeroporco". Se vencer em São Januário, o Palmeiras assegurará o título brasileiro com uma rodada de antecedência. O que faz Lucas Lima vibrar.

- Tenho tentado manter os pés no chão, com humildade, trabalhando ainda mais. Vim porque sabia que, aqui, eu poderia brigar por títulos. Estou muito feliz. É claro que o ano não foi como queríamos em alguns campeonatos, mas não desistimos em nenhum momento e continuamos brigando pelo Brasileiro - comemorou o meio-campista, enaltecendo a campanha alviverde.

- Méritos do professor e do grupo, que nunca desistiu, mesmo quando estávamos atrás, lutamos para chegar a essa possibilidade que estamos hoje. Temos de continuar com nosso foco e trabalho para fazer outro grande jogo no fim de semana e conseguir, se Deus quiser, o nosso objetivo - disse o camisa 20, que deu entrevista coletiva após um treino completamente fechado à imprensa, o penúltimo do time antes de viajar ao Rio de Janeiro, neste sábado.

Aos 28 anos de idade, Lucas Lima está em sua primeira temporada no Palmeiras. Decidiu não renovar com o Santos, onde atuou por quatro anos e foi bicampeão paulista, em 2015 e 2016 - ainda tem um título gaúcho, vencido com o Inter, em 2013 - e, agora, se anima até por ver a mobilização dos torcedores do Verdão para apoiar a equipe além das partidas no Allianz Parque.

- Fico feliz. Sem dúvidas, chegamos até aqui, com essa condição de título, graças à nossa torcida. Não só por estarem indo no aeroporto ou não, mas por estarem indo em todos os jogos, com estádio com casa cheia e lotados não só aqui, fora também. Isso nos motiva ainda mais. É felicidade, alegria. Vamos dar a vida para trazer o título para eles - prometeu.

- Já vivi situação de levar cascudo em aeroporto. É meio estranho. Mas é um pouco do futebol brasileiro. Fico feliz por viver uma situação totalmente diferente, por ser coisa boa. Sem dúvida, essa torcida será essencial para buscarmos o título - prosseguiu.

Confira outros temas abordados por Lucas Lima em sua entrevista nesta sexta:

Vasco jogará mais aliviado?
Creio que não. Eles estão vivendo um momento muito difícil, sabemos disso, mas também sabemos que é muito difícil jogar contra o Vasco lá. Sabemos que teremos uma guerra, e eles estão ainda mais motivados pela vitória que tiveram. Mas temos as nossas motivações e nossos objetivos, vamos lutar e brigar por eles.

Rodízio
Nossos jogadores já se acostumaram. É bom porque dá oportunidade a todos os jogadores. É o que muitos jogadores vinham cobrando no começo do ano e o professor conseguiu, com essa mescla, deixar todos os jogadores motivados. Todos precisam estar ligados, motivados. Essa mexida dele ajudou o grupo e a cada jogador a crescer. Ele mesmo falou 'vem dando certo desde que cheguei, então vou continuar fazendo'. Jogando ou não, não só eu, mas o grupo todo está preparado para fazer o melhor.

Merece vaga na seleção do campeonato?
Deixa quem analisa ver se mereço ou não. Fico muito feliz pela minha participação no Brasileiro. Em um grupo muito qualificado, com qualquer atleta podendo ser titular, fico muito feliz.

Dudu craque do Brasileiro
Até falei depois do jogo: o Dudu está fazendo um Brasileiro extraordinário. E não só o Brasileiro, mas um ano extraordinário. Está sendo o diferencial do nosso time na maioria dos jogos. Sem dúvida, merece ser o craque, sim.

Jogar com Dudu
Estou feliz por estar do lado dele neste ano. Sempre que o enfrentei, deu muito trabalho. Facilita a minha vida no meio-campo ter um atacante com as características dele, veloz, rápido, finaliza bem e consegue jogar como meia também. Dispensa comentários. Os números dele e os jogos que têm feito falam por si próprios. Estou muito feliz por estar o ajudando também. Quando o grupo está bem, o individual sempre aparece, e fico feliz pelo individual dele estar aparecendo.

Ansiedade
É difícil trabalhar sobre isso. O Felipão, nas conversas que têm conosco, pede concentração e para não ter ansiedade. Principalmente no último jogo, pediu para não pensar em outro resultado, mas, primeiramente, fazer a nossa parte. Lutamos muito para ter essa diferença e dependemos apenas de nós. Vamos respeitar todos os adversários, mas somos o único time que depende apenas de nós. Temos de estar focados em nós, no nosso jogo, em fazer uma grande partida e vencer, porque, aí sim, atingiremos o nosso objetivo.

Comemoração de gol falso do Grêmio
É inevitável acompanhar um ou outro. Mas essa do nosso jogo foi complicado na hora. Acabando o jogo, vi todos meio calados, em silêncio. Pensei: "pô, acho que foi fake news mesmo". É continuar trabalhando e fazer a nossa parte.

Eleições no Palmeiras
É um ano político, com eleição, mas, como jogador, tenho de deixar isso de lado e focar apenas no meu trabalho e no trabalho do grupo. Temos um jogo muito difícil, uma decisão no domingo. O foco dos jogadores está todo nisso.

Dá para cornetar o Palmeiras?
Tomara que não. São números bons, mas o número principal que esperamos conquistar é o título. Esse é o nosso desejo. Só o título para coroar esses números (melhor defesa, melhor ataque, melhor campanha como mandante e visitante). É claro que nosso time tem merecido, tem feito bons jogos e mostrado uma regularidade que é difícil ter no Brasileiro. É difícil ficar mais de 20 jogos sem perder. Mas é como o professor falou: se não formos campeões, isso não vale nada. Temos de deixar isso de lado, ser campeão e, depois, parar para pensar em números e recordes. O essencial é ser campeão.