Michel Temer

Governo do presidente Michel Temer divulgou novos cortes ao Bolsa-Atleta (Foto: Divulgação)

LANCE!
28/12/2018
13:33
Brasília (DF)

Na sanção da MP 846, Michel Temer discursou sobre o quanto a integração entre segurança, esporte e cultura garantiu uma "tarde brilhante" para o povo brasileiro. Todavia, nesta sexta-feira - o último dia útil de 2018 -, o governo do atual presidente do Brasil publicou a decisão de cortar ainda mais o programa Bolsa Atleta.

O orçamento já tinha sofrido um corte de 50% (passou de R$ 140 milhões em 2017 para R$ 70 milhões em 2018). Como anunciado pelo blog "Olhar Olímpico", do portal Uol, a mudança foi anunciada no Diário Oficial da União desta sexta-feira. Para 2019, serão R$53,6 milhões de recursos disponíveis, uma nova redução de 32%.

Os cortes atingem especialmente os atletas mais jovens. Em 2017, o Bolsa-Atleta contemplava 444 bolsas estudantis (destinadas a atletas de destaque em torneios escolares) e 254 para "Atletas de Base". Não há mais bolsa para essas categorias.

O edital estabelece prioridades para que um atleta possa receber o auxílio do governo. Na pirâmide do Bolsa Atleta, os atletas olímpicos e paralímpicos estão no topo. Na sequência aparecem os campeões mundiais e a lista segue, chegando até os terceiros colocados em disputas de categorias de base. Em 2018, o orçamento chegou ao fim sem sequer chegar à metade da lista do "Atleta Nacional", que inclui os três primeiros colocados de torneios nacionais, que poderiam receber R$ 925.

A "Atleta Nacional" é a maior categoria do Bolsa Atleta e beneficiou 3.955 pessoas em 2017, número bem maior que os 1.790 atletas listados no Diário nesta sexta-feira. Por outro lado, o "Atleta Internacional" subiu de 765 para 982, enquanto a "Atleta Olímpico/Paralímpico" sofreu redução de 412 para 336.