Fabio Rampi - São José-RS

Hoje no São José, Fabio Rampi tem 23 gols em sua carreira de goleiro (Foto: Divulgação/São José)

LANCE!
27/04/2021
20:27
São Paulo (SP)

Aos 32 anos, Fabio Rampi comemorou o Dia do Goleiro em grande fase. A data é celebrada todo 26 de abril, e o arqueiro, que desde 2015 defende as cores do São José, foi um dos grandes destaques da primeira fase do Campeonato Gaúcho: apesar de o clube não ter se classificado para as fases decisivas do quadrangular final (ficou em sexto lugar e, para que se classificasse, seria necessário terminar entre os quatro primeiros).


TABELA
> Veja classificação e simulador do Gauchão-2021 clicando aqui

GALERIA
> Criciúma caiu: veja 15 clubes tradicionais que foram rebaixados em estaduais

Rampi, individualmente, fez grandes exibições e terminou como um dos melhores jogadores da posição: não só pelos gol marcado na edição (o 23º da carreira), fato que faz dele um goleiro diferenciado, mas também pelas defesas que chamaram a atenção: ele foi um dos principais jogadores de sua equipe nas partidas diante do Internacional, Juventude e Aimoré pelo estadual, com ótimas sequências de defesas. O São José agora volta as atenções para o início da Série C do Brasileirão.

- Eu me encontro em um momento muito feliz na carreira. Tenho conseguido desempenhar o meu futebol da melhor maneira e mantendo um nível de atuação alto. Nesse campeonato fizemos grandes jogos, tudo fruto de muito trabalho em equipe - analisou o goleiro.

Contra o Colorado ele próprio diz ter feito sua maior atuação da carreira.

- O empate por 0 a 0 foi uma atuação muito consistente nossa, defensivamente. Fomos bastante pressionados pelo Internacional, é verdade. Estive em uma noite muito feliz, junto com meus companheiros, mas, particularmente, acho que foi a melhor atuação que tive pelo São José, pelo Campeonato Gaúcho, sabida a dificuldade que nós teríamos por estar enfrentando uma grande equipe, com jogadores muito bons. Então a chance de o goleiro trabalhar bastante é grande. Feliz pela atuação, com certeza, mas o mais importante é que a equipe conquistou um ponto importante para a sequência do campeonato - disse o goleiro do Zequinha,

Rampi também recordou sua atuação naquela oportunidade, com destaque para a defesa em que ficou cara a cara com o atacante Thiago Galhardo e evitou o gol com o punho em um ato de muito reflexo.

Profissionalizado em 2011 no Cruzeiro-RS, o goleiro se transferiu para o São José em 2015, onde permanece. Considerando jogos da Copinha, Campeonato Gaúcho e também partidas disputadas pelas séries C ou D do Campeonato Brasileiro, ele já acumula 23 gols. Números esses que colocam o gaúcho entre nomes, por exemplo, do paraguaio Chilavert, do colombiano René Higuita, compatriota Rogério Ceni, que compõem um seleto grupo de goleiros que ultrapassaram a barreira dos 20 gols na carreira.

Fabio Rampi, aliás, tem Rogério Ceni como sua grande inspiração na função de goleiro-artilheiro.

- Acho que para todo goleiro que tenta fazer gol a inspiração óbvia é o Rogério Ceni. Ele foi espetacular tanto pra bater na bola como pra defender - declarou.

Apesar de profissionalizado há mais de dez anos, a ideia de cobrar penalidades surgiu há alguns anos, no próprio São José (clube no qual chegou em 2015).

- Naquele momento, estávamos com dificuldade com as cobranças. Aí o então treinador me perguntou se eu queira tentar, já eu que costumava ficar tentando e desde então batendo - relembrou Fabio Rampi.

Sobre ser goleiro, para muitos uma posição ingrata e muitas vezes injustiçada no futebol, como já foram vários atletas da posição eternamente "cancelados", como Barbosa, após a Copa do Mundo de 1950, Fabio Rampi é partidário da opinião de que nenhuma outra posição no futebol acaba sendo tão especial.

- É um posição apaixonante. Tudo é muito intenso... Podemos vivenciar várias sensações durante uma única partida! Ser goleiro é ser goleiro. É algo diferente - concluiu.