Vitor Chicarolli
05/04/2018
12:43
São Paulo (SP)

Rebaixado para a Série C do Campeonato Brasileiro em 2017, o Náutico vive uma temporada de reconstrução. O time pernambucano começou o ano do zero e todos os novos jogadores se apresentaram à equipe no último dia 14 de dezembro, para realizar uma pré-temporada curta, tendo em vista que a equipe teria uma decisão pela fase classificatória da Copa do Nordeste, realizada nos dias 8 e 13 de janeiro.

Com a final do Pernambucano que será realizada neste próximo fim de semana, o Náutico contabilizará ao todo 26 jogos em 90 dias - é o segundo clube das três principais divisões do Brasil que mais jogou em 2018 (só perde para o Ceará - 27 partidas - veja os números nas fotos acima). Até o momento são 25 atuações, com 12 vitórias, dez empates e apenas três derrotas. Todo o elenco foi utilizado nesses 90 dias e ao todo foram a campo 35 jogadores, sendo 15 da base. Todos corresponderam muito bem a filosofia aplicada.

O LANCE! conversou com o preparador físico do Náutico, Flávio Trevisan, que explicou os pontos fundamentais para o elenco aguentar a pesada sequência.

- Dois pontos foram fundamentais para aguentar essa sequência de jogos: o tipo de trabalho executado por toda comissão técnica e a compreensão de todos os jogadores, que a partir do momento em que implantamos o sistema de jogo, eles abraçaram e foi tudo muito bom. Toda energia apresentada pelos atletas deixou claro de que não faltou vontade. O elenco já é vitorioso e merecedor - afirmou Flávio.

O treinador Roberto Fernandes foi o único mantido do elenco de 2017 e, a seu pedido, trouxe o preparador físico Flávio Trevisan. Com mais de 30 anos de experiência no futebol, Flávio é o mentor do moderno Sistema EXOS de trabalho, método de treinamento criado nos Estados Unidos e utilizado pela seleção da Alemanha desde 2005.

O Sistema Exos é composto por quatro pilares de sustentação: mentalidade, nutrição, movimento e recuperação. Inicia-se com o atleta passando por um processo de preparação para o treino horas antes do início da partida. Esse processo chama-se “Preparação de pilar”, que constitui-se em sete itens: massagem, alongamento, ativação, ativação com minibandas, alongamento dinâmico, integração do movimento e ativação neural.

Outros componentes desse método de treinamento são, a pliometria, bola medicinal, habilidades de movimento, a preparação do movimento, força-potência, desenvolvimento dos sistemas energéticos e regeneração.

O Náutico é um dos três clubes no Brasil que utilizam o Sistema EXOS. Os outros são Atlético-PR e Flamengo, que contrataram profissionais americanos para aplicar esse método durante os treinamentos. Segundo Flávio, esse sistema é um caminho sem volta para o futebol mundial, pois engloba tudo que o jogador precisa.

- A seleção da Alemanha utiliza o Sistema EXOS desde 2005 e além do futebol, diversos esportes usam esse método, como por exemplo a natação, rugby e basquete. A utilização do sistema deve-se pelo fato desse sistema apresentar movimentos diferenciados aos atletas. Existem muitos times copiando o sistema aqui no Brasil, mas não aplicam 100% certo - ressaltou.

Sobre o calendário do Náutico, o preparador físico falou sobre a temporada intensa e desgastante que a equipe vem enfrentando.

- Nós procuramos viver jogo a jogo, começando a preparação logo após o término da partida, onde aqueles que jogaram 45 minutos ou menos, já iniciam o treinamento logo após o apito final, seja nas propriedades do clube ou até mesmo em casa, o importante é cuidar muito bem da saúde dos jogadores. Teve semanas que jogamos na terça, quinta e no sábado. É humanamente impossível manter o mesmo time em jogos consecutivos. O Náutico fez tudo que o figurino manda e fez por merecer estar na final da competição com o nível que chegamos - concluiu Flávio.

O Náutico disputa o título do Campeonato Pernambucano contra o Central, no próximo domingo, às 16h, na Arena Pernambuco. A primeira partida da final terminou empatada em 0 a 0.