Moacyr Franco

'Fico preocupado porque tigre come porco', brincou o cantor, humorista e apresentador sobre o Tigres, adversário do Alviverde na semifinal do torneio (Divulgação)

Vinícius Faustini
04/02/2021
18:57
Rio de Janeiro (RJ)

A expectativa pela estreia do Palmeiras no Mundial de Clubes se estende a quem convive com a paixão pelo alviverde há muitos anos. Convidado do "De Casa Com o LANCE!" nesta quinta-feira, o cantor, compositor, ator, humorista e apresentador Moacyr Franco deu palpites sobre o que o Verdão pode esperar no torneio. 

- Eu estava preocupado de cair o Tigres (como adversário da semifinal). Tenho visto os jogos do Campeonato Mexicano e eles têm um time muito certinho, muito bom, tem um jogador francês que organiza bem o meio - e depois confessa:

- Mas o negócio era ganhar a Libertadores. Agora o que vier... - completou.

Moacyr Franco, que vem promovendo lives em seus perfis no Instagram e Facebook e em seu canal no YouTube, brincou com o nome do adversário do Verdão no embate deste domingo.

- Fico preocupado porque tigre come porco (risos). Eu preferia quando a gente tinha periquito como mascote, que batia as asas. Mas acredito demais na perspicácia do Abel Ferreira, acho que ele vai resistir e depois dependendo de uma jogada ou outra a gente leva a melhor - afirmou.

O artista detalhou que não sentiu um sabor especial com o fato do Palmeiras ter conquistado a Copa Libertadores sobre o tradicional rival Santos.

- Sou torcedor fanático do Palmeiras, mas eu gosto muito do Santos. Tenho isso. Na final do São Paulo no Mundial, eu torci para eles, torci também para o Corinthians quando eles foram lá. Fico preocupado com os jogadores, com as mães dos jogadores. Prezo muito a amizade, como diz até o título de um sucesso meu - disse.

Moacyr também recordou sua amizade com jogadores do Peixe.

- Quando eu estava no auge da década de 1960, o único time que peleava com o Santos era o Palmeiras. Aí fiquei muito amigo de jogadores santistas. Toninho, Lima, o Pelé - e recordou uma passagem musical com o "Rei":

- Gravei inclusive a primeira música que ele mandou para mim, intitulada "Pior É Não Ter Por Quem Chorar". Adaptei para uma coisa mais jamaicana - completou.

O cantor contou histórias de "O Amor É Verde", na qual faz uma reverência ao Palmeiras em letra e música.

- "O Amor É Verde" eu não considero marchinha do tipo "ei, Palmeiras, meu amor". Não é um jingle. É uma coisa profunda. Botei um arranjo como das óperas de Verdi. Depois dessas temporadas, quem escutar aquilo acho que vai se emocionar. O Felipão me contou que no Mundial anterior, ele usou durante a prelação com os jogadores - afirmou. 

Moacyr Franco detalhou como tornou abrangente a homenagem a diversas eras do Palmeiras.

- Tinha um fotógrafo que era do Palmeiras, uma pessoa maravilhosa. Ele ficou no meu estúdio, dormia lá, aí no dia que resolvi fazer a música, cheguei para ele: "vai falando os jogadores que você lembra". Inclusive, uns dois ou três ficaram chateados comigo, mas eu não tive culpa. Era de madrugada e a gente não tinha culpa (risos). Foi na memória - contou.

O compositor não descarta "estender" a lista de homenageados aos campeões da Libertadores de 2020. Mas faz ressalva.

- Cabe pelo meu lado, pela minha paixão. Hoje o jogador de futebol não atua por amor. Antes fazia questão de morrer vestindo a camisa. Era que nem sua seu colégio. Mas vou fazer uma adaptação sim - frisou.

Outro desejo seu é fazer uma releitura de "O Amor É Verde" com um coral especial.

- Quero gravar com o som da torcida. Quase consegui, mas deu um problema na torcida. Só que o meu desejo permanece. Eu cantando lá embaixo no estádio com meus filhos e o coro que vier da torcida. Antes de morrer eu faço - disse.

SOBRE O 'DE CASA COM O LANCE!'

O "De casa com o LANCE!" é um programa apresentado exclusivamente por meio do Instagram do site. No formato home office, nossa equipe irá receber convidados exclusivos de diferentes esferas, como atletas, profissionais e influenciadores digitais, além da participação dos leitores com perguntas ao vivo. Para não ficar de fora, acompanhe o nosso Instagram (@diariolance) e o Twitter (@lancenet).