Celso Barros e Mário Bittencourt

Celso Barros e Mário Bittencourt formaram chapa juntos na eleição (Foto: Mailson Santana/Fluminense FC)

LANCE!
23/12/2020
13:20
Rio de Janeiro (RJ)

Vice-presidente do Fluminense afastado há mais de um ano, Celso Barros continua fazendo críticas à gestão de Mário Bittencourt e ao técnico Marcão nas redes sociais. Desta vez, o dirigente fez uma postagem exaltando os trabalhos atuais de Ariel Holan, à frente da Universidad Católica-CHI, e Lisca, no América-MG, e dizendo que conversou com ambos em 2019 para assumir o comando tricolor. Quem não gostou foi Thiago Silva, jogador do Chelsea e ídolo tricolor, que saiu em defesa do atual treinador do Flu e seu amigo pessoal.

> Richarlyson vai jogar o Carioca-2021! Veja onde estão outros 21 andarilhos

Celso Barros afirmou ter feito contato com Holan e Lisca "antes e durante a decisão de efetivação" de Marcão e que ambos manifestaram interesse em treinar a equipe (veja a postagem completa abaixo).

- Ambos foram extremamente solícitos e manifestaram interesse de vir logo para o Fluminense, independente da posição do time na tabela. Levei ao presidente e ao diretor executivo apenas o nome do Ariel. O presidente como sempre não deu nenhuma resposta e o diretor me retornou no dia seguinte falando de forma educada e gentil, que a sua opinião era que devíamos manter o Marcão, mas que evidentemente a decisão pertencia ao presidente e a mim. Desta forma prevaleceu a posição de efetivação do Marcão, que era preferido pelo presidente, e que passou a ser o técnico de todos nós - escreveu.

VEJA A TABELA DO CAMPEONATO BRASILEIRO

Já Thiago Silva respondeu a publicação do vice-presidente do Fluminense afirmando que ele deveria agradecer a Marcão pelo clube ter permanecido na Série A do Brasileirão em 2019. Depois da demissão de Oswaldo de Oliveira em setembro, o então auxiliar técnico permanente assumiu o comando da equipe e ajudou na luta contra o rebaixamento.

- Então você deveria agradecer ao Marcão pela permanência do Fluminense na primeira divisão. E dar créditos para que ele possa desenvolver o seu trabalho - escreveu o jogador.

Veja a postagem de Celso Barros na íntegra:

"Hoje pretendo falar de dois técnicos com quem eu conversei no ano passado antes e durante a decisão de efetivação do Marcão.

Foram eles: Ariel Holan e Lisca. Ambos foram extremamente solícitos e manifestaram interesse de vir logo para o Fluminense, independente da posição do time na tabela.

Levei ao presidente e ao diretor executivo apenas o nome do Ariel. O presidente como sempre não deu nenhuma resposta e o diretor me retornou no dia seguinte falando de forma educada e gentil, que a sua opinião era que devíamos manter o Marcão, mas que evidentemente a decisão pertencia ao presidente e a mim. Desta forma prevaleceu a posição de efetivação do Marcão, que era preferido pelo presidente, e que passou a ser o técnico de todos nós.

Este ano o Ariel Holan treina a Universidad Católica do Chile. Seu time lidera o Campeonato Chileno. Na Copa Sul Americana chegou até as quartas de final, competição esta em que foi campeão pelo Independiente em jogo realizado contra o Flamengo, em um Maracanã lotado.
Assisti alguns jogos e achei o time limitado, o que na verdade valoriza o trabalho do treinador.

O outro nome Lisca, fez um excelente trabalho no Ceará em 2018, e esse ano treina o América-MG, que está em segundo na série B, com a sua classificação para a série A bem encaminhada. Além disso está também entre os quatro melhores da Copa do Brasil, disputando as semifinais, certamente com um investimento bem menor dos times que eliminou.

Faço essa explanação, para dizer que todo dirigente de futebol tem que estar atento ao mercado na hora de fazer suas escolhas. Óbvio que nem sempre os resultados das nossas escolhas são favoráveis.

A citação destes dois nomes não significa preferência da minha parte, mas apenas uma constatação de bons trabalhos desses dois técnicos. ST
"