Fluminense x Ceará

Ayrton Lucas, durante o empate com o Ceará (Foto: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.)

Luiza Sá
19/11/2018
23:15
Rio de Janeiro (RJ)

A situação do Fluminense não é complicada apenas dentro de campo. O momento fora dele também se mostra cada vez mais delicado. Após o empate por 0 a 0 com o Ceará no Maracanã, o lateral-esquerdo Ayrton Lucas comentou as vaias da torcida após o fim do jogo e ressaltou que os jogadores estão se esforçando para ter rendimentos melhores.

- Não precisamos nem comentar essas coisas. Todos sabem o que estamos passando. Apesar da dificuldade, não tem ninguém de sacanagem. Somos pais de família. Se a torcida vem aqui apoiar, tem todo direito de vaiar no fim do jogo. Mas primeiro eles tem que vir incentivar a equipe, lotar. Não adianta só vir poucos torcedores para criticar porque não tem ninguém de sacanagem aqui. As vezes passa pela nossa cabeça que a torcida torce para que a gente vá mal para, quando acabar o jogo, ter o direito de cobrar. Mas não é assim. Sempre estamos buscando a vitória - disse.

Hoje, o Flu deve dois meses CLT (setembro e outubro) e cinco de direitos de imagem. Na última quinta-feira, os jogadores, especialmente Marcos Junior, cobraram o diretor de futebol Paulo Angioni pelos seguidos atrasos.

- A diretoria acaba dando a palavra que vai pagar. Sabemos que o presidente é um homem de palavra. Ele acaba cumprindo quando promete. Apesar de tudo, confiamos na diretoria. Sabemos da dificuldade do clube. Respeitamos, mas não adianta acreditar na palavra, temos nosso direito. Temos contas para pagar, mas quando entramos em campo tentamos esquecer isso e ajudar. Não tem ninguém de sacanagem aqui. Já tivemos reuniões entre nós jogadores. O que pedimos é para entrar concentrado e esquecer tudo que está atrasado e o que estamos passando. Sabemos que é a nossa cara que está aparecendo, nossa carreira. Temos um time muito fechado. Vamos tentar tirar o time dessa situação o quanto antes - ressaltou.

- Não é só o Fluminense, outros times também estão com dificuldades. Enquanto estivermos aqui, precisamos honrar as cores do clube. É difícil, mas ninguém deixa de correr. Ficamos muito tristes, não só pelo resultado de hoje, mas os jogos que estamos fazendo. Estamos correndo, tentando lutar do primeiro minuto até o final, mas estamos pecando no último passe. Não podemos nos desesperar, temos jogos difíceis e temos que manter a calma para sair dessa fase - completou.