Vinicius Souza

Vinícius Souza tem vínculo com o Flamengo até dezembro de 2021 (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)

LANCE!
21/08/2020
15:28
Rio de Janeiro (RJ)

O Flamengo está em conversas adiantadas com o Grupo City, que gere nove clubes, sendo o Manchester City mais influente, para negociar a venda de Vinícius Souza, volante de 21 anos e criado nas divisões de base do clube. 

A informação inicial é do site do "Globo Esporte". Depois de uma recusa num primeiro momento, o negócio avançou nas últimas horas, segundo o LANCE! apurou, e uma oferta mais robusta está a caminho. 

No caso de uma convergência de interesses e transferência concretizada, Vinição - como é conhecido entre os companheiros de elenco - tende a ser repassado pelo conglomerado ao SK Lommel, da Bélgica. 

Vinícius Souza, atualmente, possui vínculo com o Flamengo até dezembro de 2021. Hoje sem espaço no time, está no Fla desde o 13 anos de idade e, a partir de 2019, passou a integrar o elenco profissional de maneira definitiva. Era constantemente elogiado por Jorge Jesus.

Ao todo, o volante soma oito partidas pelos profissionais do Flamengo, sendo quatro na temporada passada e o restante, nesta, quando iniciou os quatro primeiros jogos do Campeonato Carioca, comandado por Maurício Souza.

Sobre o Grupo City: os empresários são dos Emirados Árabes Unidos e possuem a gerência dos seguintes clubes mundo afora: Manchester City (Inglaterra), New York City (EUA), Melbourne City (Austrália), Yokohama Marinos (Japão), Girona (Espanha), Sichuan Jiuniu (China), Mumbai City (Índia), Montevideo City Torque (Uruguai) e Lommel SK (Bélgica).

UMA JOIA JÁ FOI

Cabe destacar que, na última semana, o lateral-esquerdo Caio Roque, de apenas 18 anos, assinou com o Grupo City e, em seguida, foi alocado no Lommel SK - provável destino de Vinícius Souza. O jovem comemorou:

De acordo com informações iniciais do jornal "O Dia", Caio Roque, que já assinou a rescisão contratual com o Flamengo, assinou com o grupo após o Rubro-Negro embolsar R$ 10 milhões à vista por 50% dos direitos econômicos da joia - os cariocas mantiveram os outros 50%.