Incêndio Ninho do Urubu

Incêndio no Ninho do Urubu acabou matando 10 garotos da base (Adriano Fontes/AM Press/Lancepress!)

LANCE!
09/09/2020
12:43
Rio de Janeiro (RJ)

O Flamengo já sabia dos problemas elétricos que culminaram na morte de dez jovens da base do clube no Ninho do Urubu no dia oito de fevereiro de 2019. Isso é o que dizem e-mails que estão em poder da Justiça e foram obtidos pelo portal "UOL" . De acordo com os arquivos, uma vistoria havia sido feita no 11 de maio de 2018, nove meses antes da fatalidade, e nada foi feito para solucionar os problemas.


No dia 10 de maio de 2018, um funcionário da empresa CBI alertou o Rubro-Negro e afirmou que "a situação é de grande relevância e alto risco". O relatório foi enviado a funcionários do clube no dia seguinte com o objetivo de que houvesse uma troca no quadro elétrico, disjuntores e fiação no jardim do local.

No dia 12 de maio de 2019, Luiz Humberto Costa Tavares, gerente de administração do Flamengo, enviou um e-mail para Marcelo Helman, diretor executivo de admistração do Ninho do Urubu, relatando os problemas do Centro de Treinamento em que meninos da base usavam como dormitórios.

Dois dias depois, a CBI fez um orçamento de reparos da rede elétrica do Ninho do Urubu no valor de R$ 8.550,00, tendo emitido duas notas fiscais de R$ 4.275,00 com datas para os dias 25 de maio de 2018 e 1º de outubro de 2018. O trabalho necessário para evitar as tragédias nunca foi realizado.

Procurado pelo "Globoesporte.com", o ex-presidente Eduardo Bandeira de Mello afirmou que "esse tipo de assunto não chega à presidência do clube". De acordo com a "UOL", o comportamento de Marcelo Helman após a tragédia não agradou à direção de Rodolfo Landim, mas o funcionário só foi desligado do Flamengo em junho por questões políticas.