Carlos Bandeira de Mello*
17/07/2018
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

O atacante do Cruzeiro, Rafael Sóbis, se posicionou sobre as críticas colocadas em relação a Gabriel Jesus. O jovem atleta da Seleção Brasileira não marcou nenhum gol na Copa do Mundo da Rússia e deixou a competição com a imagem de um centroavante marcador e não "matador". Em entrevista ao LANCE!, Sóbis, que pode atuar tanto pelos lados, como centralizado, destacou que a torcida precisa se conscientizar e parar de atingir o atual camisa 9 da amarelinha.

- É difícil falar de fora. Pode soar até como injustiça. As pessoas têm essa cultura antiga de que o atacante tem que fazer gol, e se não fizer, é porque jogou mal. Mas na prática não funciona bem assim no futebol moderno. Muitas vezes um atacante ajuda muito mais sem fazer gols. Precisamos ter essa consciência e parar de apedrejar o menino, que fez uma Copa boa por sinal -disse ao L!

Após balançar as redes no empate com o Corinthians, em 2 a 2, em Itaquera, o atacante chegou a marca de 27 gols com a camisa da Raposa. Com isso, tornou-se o maior artilheiro na "Era Mano Menezes" ao lado de Arrascaeta, que balançou as redes no confronto contra o Atlético-PR, pela Copa do Brasil. Sob o comando do técnico foram 156 jogos, sendo 77 como titular. Sóbis destacou que tenta fazer o máximo para contribuir com o time e disse que a evolução acontece no decorrer do dia a dia, com atividades complementares e conversas. 

- Tudo que é possível de ser feito para evoluir, eu tento fazer. Mas a evolução completa se dá realmente no dia a dia, com treinos, conversas e jogos. É onde todos nós podemos e devemos crescer dentro de campo - destacou. 

Mesmo isolado na artilharia do Cruzeiro, o atacante garante que a disputa é  "saudável" - Thiago Neves apresenta 26 gols com a camisa Celeste. Para apimentar mais esse confronto, o argentino Hernán Barcos chegou para completar o ataque. Fred ainda se recupera de lesão.

- Sempre é benéfica ao clube. Quanto mais qualidade, mais competitividade e, consequentemente, melhor para o Cruzeiro, que só tem a ganhar - destacou. 

Rafael Sóbis também comentou sobre a partida contra o Flamengo pelas oitavas de final da Libertadores, as diferenças entre o futebol brasileiro e o mexicano. Para completar, a parceira com Thiago Neves e Fred, que atuaram juntos no Fluminense.

BATE-BOLA COM RAFAEL SÓBIS

Mano Menezes da liberdade para criação dentro das quatro linhas?
Claro que sim. Ele é um dos grandes estudiosos do nosso futebol e sabe que a criatividade também faz parte do desenvolvimento de uma equipe. O ideal é saber ter equilíbrio para que o time possa usar de mais de uma faceta.

Diferença entre o futebol mexicano, onde atuou pelo Tigres, e o brasileiro?
Há algumas, sim. O jogo por lá é mais corrido, muitas transições em velocidade, contra-ataques. Aqui é mais equilibrado. De qualquer forma, o futebol de um modo geral evoluiu demais e se tornou muito nivelado, exatamente da forma como a Copa do Mundo vem nos mostrando.

Diante da parceira com Thiago Neves e Fred, que atuaram ao seu lado no Fluminense, o entendimento facilita dentro de campo?
Há sim. É um entrosamento e um entendimento que já trazemos de outra época, de outros grandes momentos. Isso nos ajuda muito aqui no Cruzeiro, tanto dentro como fora de campo.

Acredita que algum jogador do Flamengo pode surpreender na partida pelas oitavas de final da Libertadores?
Acho que não há um jogador em específico, mas sim toda a parte coletiva do Flamengo. Eles têm um time de muita qualidade, que vive um grande momento na temporada. Estamos nos preparando para enfrentá-los da melhor forma possível, pois sabemos que serão 180 minutos muito disputados e complicados.

*Sob supervisão de Yuri Andrade