Deportivo Lara x Emelec

O Deportivo Lara não conseguiu vir ao Brasil para jogar contra o Cruzeiro e o jogo foi adiado para o dia 27 de março. Outro mineiro, o Galo, tem ainda o Zamora em seu grupo da Libertadores-Divulgação/Deportivo Lara

Valinor Conteúdo
20/03/2019
17:42
Belo Horizonte

Apesar da crise humanitária e política na Venezuela, os clubes do país que estão na disputa da Copa Libertadores terão condições de se manter na competição. Quem garante é a Federação Venezuelana de Futebol (FVF), ao emitir um comunicado que seus filiados estarão aptos para disputar tanto a Libertadores, quanto a Copa Sul Americana.

Os dirigentes da federação se comprometeram com a Conmebol, durante um encontro com o presidente da entidade, Alejandro Domínguez, no evento que reuniu treinadores das equipes que disputam a Libertadores, que aconteceu na terça-feira, 19 de março, na sede da entidade, em Luque, no Paraguai.

A Federação Venezuelana de Futebol garantiu toda a segurança e em cumprir todos os detalhes relacionados para a realização de partidas sob diferentes cenários. Essa notícia pode ser um tranquilizador para Cruzeiro e Atlético-MG, que tem em seus respectivos grupos na Libertadores, o Deportivo Lara e o Zamora.

A desconfiança sobre a capacidade dos clubes da Venezuela em cumprir suas obrigações na Libertadores aumentou depois que o Deportivo Lara não pôde enfrentar o Cruzeiro na data marcada inicialmente, 13 de março, em Belo Horizonte, por não conseguir viajar ao Brasil graças a dificuldades de transporte e um apagão elétrico, o pior da história do país, que fechou vários aeroportos e impediu o deslocamento do time.

A Conmebol foi obrigada a remarcar a partida para o próximo dia 27, uma quarta-feira, e exigiu condições dos dirigentes venezuelanos para a sequência da Libertadores e da Sul-Americana.