O presidente Wagner Pires de Sá esteve no treino desta terça-feira na Toca da Raposa

O presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, não se pronunciou mais uma vez sobre a crise no clube (Vinnicius Silva/Cruzeiro)

Valinor Conteúdo
10/09/2019
18:11
Belo Horizonte

Após mais uma onda de protestos realizados desta vez na porta da Toca da Raposa II, com carros de jogadores sendo cercados, o Cruzeiro se posicionou oficialmente sobre a onda de eventos negativos, que afligem o clube.

O diretor de futebol, Marcelo Djian, foi o escolhido para falar à imprensa e dar uma satisfação ao torcedor cruzeirense. Djian se postou em frente ao microfone e falou em nome da diretoria e do presidente Wagner Pires de Sá, que não comentou nenhum dos recentes acontecimentos publicamente.

O diretor de futebol afirmou que a folha de pagamento de julho será quitada ainda esta semana e disse que a de agosto poderá ser acertada na semana que vem.

Em relação ao time, Djian comentou que alguns jogadores irão aprimorar os trabalhos físicos e não estarão em campo contra o Palmeiras, sábado, 14 de setembro, às 19h, no Allianz Parque.

A lista foi montada por Rogério Ceni, o clube não quis revelar os nomes dos que estarão nessa preparação extra. Os demais jogadores estarão nas atividades normalmente.

- Ele não me passou o nome dos jogadores, mas disse que alguns estarão treinando normalmente no grupo. Aqueles que ele achar e o departamento físico e fisiológico decidirem que tem que ter um complemento, serão feitos complementos após treinamentos - disse Djian em entrevista coletiva, para em seguida relatar uma prosa com Ceni ainda no vestiário do Independência, depois do jogo contra o Grêmio, pelo Brasileiro.

- Eu tive uma conversa rápida com ele, dentro do vestiário no domingo. Ele me disse que tem grandes chances, daqueles que forem fazer esse trabalho complementar, que fiquem fora dos jogo contra o Palmeiras e que voltem contra o Flamengo - acrescentou.

O diretor de futebol da Raposa respondeu à pergunta que mais gerava curiosidade nos últimos dois dias: Rogério Ceni fica ou não? Djian garantiu a permanência do treinador mesmo se os resultados não melhorarem na sequência de jogos contra Palmeiras, fora, Flamengo, em casa, e Goiás e Ceará, longe de BH.

- Nós sabemos que os dois próximos jogos são muito difíceis e depois saímos duas vezes (contra Goiás e Ceará). É uma sequência de quatro jogos importantes, até mesmo pelo momento. Conversamos com ele, sim, e ele vai ficar. O Rogério é um cara que vive muito a partida, perfeccionista, e é por isso que existe uma decepção muito grande, como aconteceu no jogo de domingo -explicou.

Djian tem conversa com Thiago Neves

Thiago Neves se tornou o símbolo negativo do atual momento do Cruzeiro em campo, sendo cobrado por torcedores e ainda criando um primeiro embate com o técnico Rogério Ceni após o duelo contra o Internacional, pelas semifinais da Copa do Brasil, quando questionou Ceni pelas improvisações na escalação do time.

Ceni rebateu e a direção do clube interveio para diminuir a celeuma entre os dois. Marcelo Djian garantiu que Neves não será afastado do elenco. 

- Conversei com ele (Thiago Neves) em particular. O Thiago é um dos nossos melhores jogadores, deu uma entrevista de cabeça quente. Acontece no calor da partida e, às vezes, vem a decepção de quem poderia estar na terceira final consecutiva de Copa do Brasil. Está encerrado, solucionado, contamos com o Thiago Neves, que é um jogador muito decisivo para nós - explicou.