Arena Neo Química

Naming rights da Arena foi anunciado na última terça-feira (Imagem: Divulgação/Corinthians)

Fabio Chiorino e Rodrigo Borges
02/09/2020
07:00
São Paulo (SP)

O Corinthians divulgou ontem mais detalhes sobre a parceria dos naming rights da arena com a Neo Química, empresa farmacêutica que pertence a Hypera Pharma. Em um contrato com duração de 20 anos, a companhia irá desembolsar R$ 300 milhões ao todo.


Ainda que com grande atraso - Andrés Sanchez fez a primeira promessa em fevereiro de 2012, quando o estádio ainda nem estava de pé -, o acordo é fundamental para os próximos anos do clube, que desde a inauguração de sua arena se vê perdido em uma dívida, que parecia impossível de ser quitada, com Odebrecht e Caixa Econômica Federal.

Casa cheia o Corinthians tem desde que o sonho da casa própria se tornou realidade, mas o financiamento se tornou uma bola de neve que sugava toda a receita com bilheteria. Quem observa o elenco do Corinthians hoje como uma lupa percebe que houve impacto também dentro de campo. Após o título brasileiro de 2017, o Timão vendeu seus principais jogadores e não conseguiu mais repor à altura. Contratou em baciada e poucos vingaram de fato. Paralelamente, viu Palmeiras e Flamengo tomarem o protagonismo no gramado e no mercado.

Até a parada provocada pela pandemia, o Corinthians, de técnico novo, fazia um Paulistão medonho, enquanto tentava curar a eliminação precoce na fase preliminar da Libertadores. O início ruim do Brasileirão, com apenas uma vitória em cinco jogos, reforça a necessidade de mais investimentos para formar novamente um time capaz de disputar títulos relevantes.

A Neo Química resolve uma parte, mas é a gestão, em ano de transição no poder dentro do clube, que tem a incumbência de aproveitar o naming rights para arrumar a casa.

O LANCE! Espresso é uma newsletter gratuita que chega de manhã ao seu e-mail, de segunda a sexta. A marca registrada do jornalismo do LANCE!, com análises de Fabio Chiorino e Rodrigo Borges. Clique aqui e inscreva-se.