Lucas Romero

Romero deseja voltar ao seu páis de origem por questões familiares e deve deixar a Toca da Raposa-(Foto: Reprodução/Premiere)

Valinor Conteúdo
31/07/2019
07:00
Belo Horizonte

O volante Lucas Romero, um dos xodós da torcida do Cruzeiro pode estar vivendo seus últimos momentos com a camisa da Raposa. O argentino tem proposta do Independiente e já manifestou o desejo de retornar ao seu país natal, devido a gravidez de sua esposa, prestes a dar a luz à sua primeira filha.

O vice-presidente da equipe hermana, Pablo Moyano , afirmou que o negócio avançou e que Romero deve estar na Argentina até o fim da semana. O Cruzeiro está fazendo jogo duro na negociação, pois além de poder perder um dos seus principais jogadores, não aceita liberar o atleta por um valor parcelado. A Raposa quer receber à vista pela transação, algo em torno de 4 milhões de dólares.

-Fizemos a oferta formal e esperamos que entre quinta e sexta Romero esteja no país- disse o dirigente.

O próprio jogador, após a eliminação da Raposa na Libertadores, comentou sobre o que será do seu futuro ainda esta semana e deu a entender que o caminho deverá ser sua saída do time mineiro.

-Amanhã(quarta-feira) vou para Toca da Raposa e com certeza decidir o meu futuro. Eu já passei para o Cruzeiro o que eu queria e vamos resolver com calma depois de descansar-disse Romero.

Lucas Romero chegou o Cruzeiro no início de 2016, vindo do Vélez Sarsfield, com uma série de cláusulas em seu contrato, incluindo uma que estabelece que se a Raposa quiser negociar o volante para um clube argentino, deverá pagar uma multa de 500 mil dólares ao Vélez, que ainda tem 50% dos direitos do jogador, além do Vélez ter de dar liberação para o negócio.

Em outra cláusula do contrato de Romero, o Cruzeiro fica obrigado a vender o jogador se receber uma proposta com valor igual ou superior a 5 milhões de euros, caso o Vélez aceita a oferta.

Romero tem 148 jogos pelo Cruzeiro, marcou três gols e conquistou duas vezes o Campeonato Mineiro e duas vezes a Copa do Brasil. Seu vínculo com os mineiros vai até o início de 2021.