Durcesio Mello - Botafogo

Durcesio Mello é o presidente do Botafogo (Foto: Vítor Silva/Botafogo)

Sergio Santana
07/05/2021
14:57
Rio de Janeiro (RJ)

Notícia preocupante aos cofres do Botafogo. O clube de General Severiano foi retirado do Ato Trabalhista nesta sexta-feira por conta de quatro parcelas do acordo que não foram pagas em meses do ano passado, no começo da pandemia e do corte de gastos. O Alvinegro pode sofrer com novas penhoras.

+ Mais de 90 funcionários são demitidos do Botafogo e clube busca acordo para pagar indenizações

Com a exclusão, o Botafogo coloca em risco R$ 100 milhões em dívidas trabalhistas - que, com o Ato, estavam sem riscos de penhoras. Sem a participação do Alvinegro no acordo, o risco de penhoras é praticamente imediata e isto pode gerar novos processos. 

A notícia foi publicada primeiramente pelo portal "Esporte News Mundo". Ao LANCE!, a diretoria do Botafogo afirmou que vai recorrer da decisão, feita pelo juiz Jorge Fernando Gonçalves da Fonte, do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, o quanto antes.

+ Após cortes, Botafogo encerra atividades da categoria sub-18 do futebol feminino

O clube de General Severiano pretende levar a discussão a uma instância de âmbito nacional. O Tribunal afirma que o clube teria que fazer um novo acordo após a pandemia para renegociar os termos do Ato Trabalhista, algo que o clube discorda.

Com esses R$ 100 milhões "desprotegidos", o dinheiro pode ser penhorado por qualquer pessoa/instituição que tenha cobranças junto ao Alvinegro na Justiça.