icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
31/07/2013
05:15

Catalunha e Espanha são dois países distintos. Pelo menos, de acordo com uma das faixas que foram estendidas nas arquibancadas do Palau Sant Jordi (veja ao lado) durante a Cerimônia de Abertura do Mundial de Esportes Aquáticos de Barcelona. Protesto que escancarou a indiferença da região com o restante do país. Inclusive, com a busca de Madri por ser sede olímpica em 2020.

Ao redor da piscina principal da arena que recebe o Mundial, diversas publicidades anunciam os mais variados tipos de empresas e competições. Por exemplo, um banner do Mundial de 2015, que ocorrerá na Rússia. Nenhuma citação, contudo, à candidatura da cidade espanhola para a Olimpíada de 2020.

O panorama é o mesmo na vila montada dentro do Parque Olímpico de Montjuic, que é a sede de todas as competições do Mundial de Esportes Aquáticos. Há promoções de todo o tipo, mas o assunto Olimpíada Madri-2020 não é nem sequer mencionado em ponto algum.

O Mundial de Barcelona é a principal competição esportiva que a Espanha receberá em 2013. Mesmo assim, não será utilizado para impulsionar a campanha de Madri pelos Jogos Olímpicos. Mesmo com a proximidade do anúncio do Comitê Olímpico Internacional (COI), que definirá a cidade vencedora no dia 7 de setembro. Ainda estão no páreo Madri, Istambul e Tóquio.

A rixa entre a Catalunha e principalmente Madri passa do limite esportivo. Recentemente, 90 mil pessoas foram ao Camp Nou, estádio do Barcelona, para um show chamado “Concerto da Liberdade”, em favor da independência da região em relação ao restante da Espanha.

No Mundial, apesar de atletas espanhóis serem muito aplaudidos enquanto competem, poucas bandeiras da Espanha são vistas. Em sua grande maioria, as flâmulas trazidas pelos torcedores são da Catalunha.

No fim das contas, a Olimpíada que interessa aos catalães, de fato, foi a de 1992, em Barcelona.

Com a palavra, Felipe Perrone
Jogador brasileiro de polo aquático que atua pela seleção espanhola

"Realmente, esta rixa entre Madri e Barcelona existe. Há uma razão política muito importante para tudo isso, desde o governo de Franco. Na parte esportiva, seria ótimo para o esporte espanhol se a Olimpíada fosse em Madri. Os investimentos no esporte estão caindo desde Barcelona-92. Se Madri ganhar, haverá um impulso para o esporte espanhol novamente.

Mas não posso dizer que a população da Catalunha demonstra vontade de ver a Olimpíada em Madri. Não poderia falar isso. No fundo, há mesmo uma indiferença da população em geral. Não é algo claro como a Rio-2016, em que todo o Brasil torcia pela vitória da cidade carioca. Com certeza, a torcida maior para a vitória fica apenas em Madri."

Catalunha e Espanha são dois países distintos. Pelo menos, de acordo com uma das faixas que foram estendidas nas arquibancadas do Palau Sant Jordi (veja ao lado) durante a Cerimônia de Abertura do Mundial de Esportes Aquáticos de Barcelona. Protesto que escancarou a indiferença da região com o restante do país. Inclusive, com a busca de Madri por ser sede olímpica em 2020.

Ao redor da piscina principal da arena que recebe o Mundial, diversas publicidades anunciam os mais variados tipos de empresas e competições. Por exemplo, um banner do Mundial de 2015, que ocorrerá na Rússia. Nenhuma citação, contudo, à candidatura da cidade espanhola para a Olimpíada de 2020.

O panorama é o mesmo na vila montada dentro do Parque Olímpico de Montjuic, que é a sede de todas as competições do Mundial de Esportes Aquáticos. Há promoções de todo o tipo, mas o assunto Olimpíada Madri-2020 não é nem sequer mencionado em ponto algum.

O Mundial de Barcelona é a principal competição esportiva que a Espanha receberá em 2013. Mesmo assim, não será utilizado para impulsionar a campanha de Madri pelos Jogos Olímpicos. Mesmo com a proximidade do anúncio do Comitê Olímpico Internacional (COI), que definirá a cidade vencedora no dia 7 de setembro. Ainda estão no páreo Madri, Istambul e Tóquio.

A rixa entre a Catalunha e principalmente Madri passa do limite esportivo. Recentemente, 90 mil pessoas foram ao Camp Nou, estádio do Barcelona, para um show chamado “Concerto da Liberdade”, em favor da independência da região em relação ao restante da Espanha.

No Mundial, apesar de atletas espanhóis serem muito aplaudidos enquanto competem, poucas bandeiras da Espanha são vistas. Em sua grande maioria, as flâmulas trazidas pelos torcedores são da Catalunha.

No fim das contas, a Olimpíada que interessa aos catalães, de fato, foi a de 1992, em Barcelona.

Com a palavra, Felipe Perrone
Jogador brasileiro de polo aquático que atua pela seleção espanhola

"Realmente, esta rixa entre Madri e Barcelona existe. Há uma razão política muito importante para tudo isso, desde o governo de Franco. Na parte esportiva, seria ótimo para o esporte espanhol se a Olimpíada fosse em Madri. Os investimentos no esporte estão caindo desde Barcelona-92. Se Madri ganhar, haverá um impulso para o esporte espanhol novamente.

Mas não posso dizer que a população da Catalunha demonstra vontade de ver a Olimpíada em Madri. Não poderia falar isso. No fundo, há mesmo uma indiferença da população em geral. Não é algo claro como a Rio-2016, em que todo o Brasil torcia pela vitória da cidade carioca. Com certeza, a torcida maior para a vitória fica apenas em Madri."