icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
30/03/2014
18:39

Apesar de ainda causarem polêmica e muita discussão, as ordens das equipes para os pilotos inverterem de posições ou não se atacarem durante uma corrida se tornaram uma prática comum nos últimos anos na Fórmula 1. Ou para posicionar melhor quem esteja com um rendimento superior ou até mesmo para dar preferência para o número um de uma escuderia, motivos não faltam para os times mandarem um corredor deixar o outro passar.

Mas isso não quer dizer que os recados vindos dos boxes são sempre seguidos. Assim como aconteceu com Felipe Massa e Valtteri Bottas, da Williams, no GP da Malásia, neste domingo.

Confira abaixo quatro casos marcantes de ordens de equipes para os pilotos trocarem de posição durante uma prova:

2013 - Jenson Button e Sérgio Pérez, McLaren - GP da Espanha
Durante o GP da Espanha do ano passado, Jenson Button ocupava a oitava posição e Sérgio Pérez vinha logo em seguida. Mais rápido, o mexicano começou a pressionar o britânico. Foi então que, dos boxes, partiu a ordem para Pérez diminuir o ritmo e poupar os pneus. Nos dias seguintes, a McLaren negou que tenha interferido no resultado dos pilotos. Segundo a equipe, o próprio mexicano tinha feito o alerta sobre o desgaste no equipamento.

2013 - Sebastian Vettel e Mark Webber, Red Bull - GP da Malásia
No GP da Malásia também do ano passado, Sebastian Vettel ignorou as ordens de equipe da Red Bull para sair com a vitória. Após as trocas de pneus, Mark Webber estava na ponta e perto do triunfo. Vettel vinha em segundo, com um carro mais veloz. Mesmo assim, a equipe mandou os dois pilotos manterem suas posições, fato ignorado pelo alemão. O na época tricampeão passou o australiano e causou um mal-estar com o companheiro e o próprio time. Depois, se desculpou pelo ocorrido.

2010 - Fernando Aloso e Felipe Massa, Ferrari - GP da Alemanha
Na ocasião, Felipe Massa era piloto da Ferrari e liderava a prova alemã, tendo atrás dele o companheiro Fernando Alonso. A 18 voltas do fim, a equipe ordenou que o brasileiro abrisse passagem. O espanhol ficou a vitória e a Ferrari foi multada em US$ 100 mil (cerca de R$ 234 mil). O brasileiro nunca escondeu a chateação com o episódio.

2002 - Michael Schumacher e Rubens Barrichello, Ferrari - GP da Áustria
Pode ser considerado o caso mais marcante de ordem de equipe para a troca de posições entre pilotos. A oito voltas do fim da corrida na Áustria, Rubens Barrichello tinha quatro segundos de vantagem para Michael Schumacher. Então, Jean Todt, quer era chefe de equipe da Ferrari manda o brasileiro dar passagem para o alemão. Então, na última curva da última volta, o Barrichello deu passagem. A equipe italiana foi multada em R$ 2 milhões não pela ordem, mas por quebrar o protocolo no pódio, pois Schumi deu o troféu da vitória a Rubinho e o puxou para o topo.