icons.title signature.placeholder Thiago Ferri
24/07/2014
08:02

No dia em que foi divulgado haver o risco de sua ida para os Emirados Árabes melar, Valdivia ficou incomunicável. Seu empresário, Wagner Ribeiro, e o pai, Luis Valdivia, ligaram para o jogador, mas não o encontraram. A notícia de que a transferência para o Al Fujairah (EAU) virou uma novela surpreendeu à dupla, ainda com dificuldade para entender os motivos para o impasse.

- O Valdivia está nos Estados Unidos, não falei com ele hoje (ontem), seu celular está desligado. Amanhã (hoje) vou procurar o Palmeiras para saber o que está acontecendo. Temos contratos firmados, não é assim. O Valdivia antes de ir para os Emirados tinha uma proposta de um clube francês, mas paramos de conversar, porque esta oferta era muito vantajosa. Estou aguardando, mandei um Whatsapp, pedindo para ele me retornar - explicou Wagner, ao LANCE!Net.

Ainda de acordo com seu agente, as bases do contrato de três anos já estavam acertadas com o clube asiático, inclusive a parte salarial, que poderia ter iniciado o problema com o Al Fujairah, de acordo com aquilo que soube o Palmeiras. A surpresa de Wagner Ribeiro cresceu ao saber que a imprensa dos Emirados Árabes já diz que a compra não acontecerá mais, e o Twitter do clube ter avisado que não selou a transferência.

Uma possibilidade levantada para esta desistência seria uma proposta melhor de outro time dos Emirados Árabes, mas o empresário considerou isto apenas "especulação", e avisou não haver mais ofertas. O pai de Valdivia, por sua vez, foi surpreendido ao saber que o filho voltaria para o país (ele atuou pelo Al Ain, entre 2008 e 2010). Quando ouviu em uma rádio no Chile que o acordo melou, tentou encontrar o filho, mas não teve sucesso nem por telefone, nem por e-mail.

- Estava ouvindo em uma rádio que a negociação não prosperou e que ele voltaria ao Palmeiras, mas não falei com ele, não sei onde ele está. Estive com ele em São Paulo depois da Copa do Mundo, e desde então não nos falamos mais. Ele me informou em sua casa que iria para os Emirados assinar este novo contrato - lembrou.

- Ele não tinha me dito de interesse nenhum. Sempre conversava com ele sobre isto, o tempo todo, mas desta vez ele não falou. Só me disse que iria para os Emirados e eu lhe desejei sorte. Até mandei um e-mail agora, mas ainda não fui respondido. Tudo foi uma surpresa - acrescentou.

O estafe do meia diz que o jogador está descansando, e que irá se apresentar no Al Fujairah no próximo dia 4. Osório Furlan, conselheiro palmeirense e detentor de 36% de seus direitos econômicos, também não sabia de nenhuma reviravolta. Caso a negociação fracasse, o jogador terá de voltar ao Palmeiras, com o qual tem contrato até agosto de 2015. Ele renderia ao Verdão R$ 10,5 milhões, a receber de forma parcelada.