icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/07/2014
23:10

O novo técnico da Seleção Brasileira, Dunga, não fez cerimônia ao revelar que não gostou do comportamento de alguns jogadores durante a Copa do Mundo, entre eles Neymar. Para o treinador, que foi confirmado no cargo há menos de uma semana e concedeu entrevista ao Fantástico, da TV Globo, houve uma mistura dos interesses pessoais com os do Brasil.

Ele usou como referência uma coletiva dada por Neymar após o corte, na Granja Comary, em Teresópolis, na qual o jogador apareceu usando um boné da grife pessoal e não o da CBF.

- O foco maior tem que ser a Seleção. Quando der a entrevista, tem que ser com o boné da seleção, ou não dá. O Brasil tem que ter essa cara limpa, o marketing pela qualidade. As pessoas têm que falar do que eu faço dentro de campo e não do que eu faço fora. Os problemas que eu tenho de marketing, família, têm que ficar para antes ou depois. 30 dias não vão mudar nada - afirmou Dunga.

O treinador ainda deu uma curta explicação sobre a matéria da Espn Brasil que, com documentos, mostra que Dunga recebeu R$ 407 mil por atuar como intermediário da negociação do meia Ederson, atualmente na Lazio, entre RS Futebol e um grupo de investimento.

- Em 2004, parei de jogar futebol. Fui procurado por uma pessoa para apresentar um investidor. Não é agenciamento, porque fiz uma apresentação e saí fora. O clube negociou com o empresário - disse o treinador.

Quanto à montagem da Seleção Brasileira para o próximo ciclo de Copa do Mundo, que começa com amistosos em setembro nos Estados Unidos, Dunga explicou que já tem pelo menos três jogadores em mente para cada posição.

- A formação vai acontecer com o passar dos amistosos, vamos tentar achar uma ideal. Tenho três jogadores em cada posição. Alguns são jogadores jovens, que estão na Europa, que estão com bom rendimento. Vou escalar os jogadores que estiverem aptos e realizando o que desejamos, ninguém tem lugar garantido na Seleção Brasileira. Para jogar, ele tem que ter eficiência e capacidade, não por essa boa relação com o torcedor, que é legal - completou.

CONFIRA TRECHOS DA ENTREVISTA

ANSIEDADE
Quero começar logo os jogos, que assim acaba a polêmica. Via muito jogos, treinamentos, trocava informações com o pessoal da Europa

EXPOSIÇÃO
Em certo momento, a Seleção Brasileira tem que ter uma privacidade. Eles (Holanda e Alemanha) tinham a exposição fora do treinamento, A privacidade é no treinamento.

CHORO NO HINO
Se criou essa história do hino nacional desde a Copa das Confederações. É legal, mas quem está ali dentro tem que criar uma barreira.

FALTOU EQUILÍBRIO EMOCIONAL NA COPA?
É difícil dizer porque não estava lá diariamente, talvez tenha sentido um pouco a ansiedade, porque criou a expectativa que o Brasil tinha que ganhar de qualquer forma. Você tem que jogar com as palavras, jogar para ganhar e não dizer que vai ganhar.

NOTA PARA O FELIPÃO
O cara foi campeão do mundo e campeão do mundo não se discute.

O QUE SENTIU NO 7 A 1?
Senti o que todo mundo sentiu, ninguém estava acreditando. Ninguém espera ou está preparado para isso. Até o treinador fica perplexo. Mas se não tiver nenhum para dar um berro... Não tenho que ficar melindrado em chamar a atenção e te mandar "pra quele pais". Isso está faltando no Brasil, está todo mundo com muito dedinho de chamar atenção do outro.

O BRASIL ESTÁ ULTRAPASSADO?
Não é que o Brasil esteja defasado. O problema é que os jogadores com 15, 16 anos foram para a Europa e eles não são titulares de sua equipe.

VAI CONVOCAR FRED?
Fred é um grande atacante, que não teve atuação esperada, vai ser difícil para a próxima Copa, porque vai estar com 34, 35 anos. Vai depender do momento.