icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira
09/06/2014
05:04


Futebol e festival estão intimamente ligados em Parintins. Muitos jogadores  e ex-jogadores amadores da cidade participam dos trabalhos nos galpões. E o jogo anual entre Garantido e Caprichoso, no Estádio Municipal, é muito aguardado.

Só quem trabalha no seu respectivo boi entra em campo. As estrelas (cantores oficiais, artistas de alegoria, como Márcio Gonçalves, tricampeão do carnaval de São Paulo e que é originário de Parintins) costumam jogar para chamar público.

- Tudo começou no fim dos anos 70. Parintins nunca tivera uma partida retransmitida até então. Veio a ideia de juntar os dois bois, já famosos, num amistoso. Deu certo. A TV veio aqui, fez o jogo e pouco depois colocou uma retransmissora na cidade – disse o mestre de alegorias Ito Teixeira, que também é professor de educação física, adora falar das suas façanhas como meia e dos dez títulos municipais que ganhou, três deles com o Sul-America.

Apesar de sessentão, Ito ainda disputa o Clássico das Tribos. Ao seu lado, no barracão do Garantido, Nilton Carvalho, ou Dicolói escuta a conversa. Hoje este senhor negro também na casa dos 60 anos é um dos auxiliares de alegorias no QG  do boi vermelho. Nem sabe se terá tempo para ver os jogos do Brasil na Copa, pois estará ajudando a terminar as alegorias para o festival, que começa no dia 27.  Craque  no que faz  com os carros alegóricos, Dicolói, quando jovem, era um dos bons laterais-esquerdos da cidade. E lembra do seu dia de glória, seu jogo de Copa: um empate por 1 a 1 sobre o Botafogo, num amistoso em 1989. Pena que não tenha uma foto ou matéria sobre a façanha, que todos na Cidade Garantido adoram relembrar.

- Eles tinham o Maurício na ponta direita e tudo. Terminaram o ano como campeões do Carioca e acabando com aquele longo jejum. E só empataram no finzinho – disse Dicolói.

- Vinha muito time bom aqui. Em 1991 perdemos para o Flamengo por 1 a 0, gol do Gaúcho. O juiz não deu um pênalti para nós – lembrou Ito Teixeira, que é primo de Dicolói (que na edição de 2014  do Clássico das Tribos ficou na torcida, pois a idade pesa).