icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
20/11/2014
13:22

Depois de chegar a decisão da primeira edição do The Ultimate Fighter Brasil, Daniel Sarafian encontrou uma dura realidade no UFC. Em quatro compromissos, o brasileiro foi derrotado três vezes, mas nada que o desanime e abaixe sua cabeça. De olho em evolução como atleta, o paulista se mudou para os Estados Unidos, onde agora treina na Power MMA, após passagem infeliz decisão de descer para os meio-médios. De volta aos médios, sua categoria de origem, o lutador tem o duelo contra Dan Miller, dia 20 de dezembro, em Barueri, para reescrever sua história no Ultimate.

Em entrevista ao LANCE!Net, o atleta relembrou os momentos antes do embate diante de Kiichi Kunimoto, na categoria até 77kg. Segundo Sarafian, ele viveu um dos momentos mais tristes de sua carreira e relevou estar levando uma vida fora dos seus padrões. O competidor ainda garante que, apesar de ter estatura baixa para a divisão, sua força é o essencial.

- Minha carreira inteira eu lutei bem nos médios e a pior luta que fiz foi nos meio-médios. Não estava bem de cabeça, fisicamente e foi horrível bater aquele peso. Estava passando uma vida miserável e já via a hora que perderia minha mulher e amigos, porque não tinha vontade de fazer nada, não transmitia felicidade. Os últimos dois, três meses foi uma irrealidade para mim. Falam que sou pequeno para os médios, mas se descer, também fico. Não me arrependo e vou passar essa experiência para a frente. Sou forte para os médios e isso é o principal. Vamos para cima dos grandões - afirmou ao L!Net, em conversa por telefone.

Sobre a saída de São Paulo e mudança para os Estados Unidos, Daniel garante que estava precisando respirar uma nova realidade e garante que agora seu foco é somente nos treinamentos. Segundo ele, os fãs vão notar uma diferença na sua estratégia.

Sarafian tem quatro compromissos pelo Ultimate (FOTO: UFC)

- Estou gostando muito dessa mudança, levo uma vida tranquila, calma e foco somente nos treinamentos. Isso está me deixando mais tranquilo, consciente, mas sem perder a agressividade que é minha. Estou com boas mudanças técnicas e agreguei muita coisa boa. O pessoal pode esperar um Daniel com seu estilo agressivo, mas cauteloso e esperto. Esse período aqui me deixou mais ligado - disse, emendando sobre seu relacionamento com CB Dollaway, quem já enfrentou em janeiro de 2013 e agora é companheiro de atividades.

- Comecei a entrar em contato com ele antes da luta com o Kichii. Acho que o fato de termos lutado nos aproximou muito. Ele gosta de mim e eu dele. Quando treinamos, repetimos aquela mesma luta, porque ninguém quer entregar e isso é ótimo, porque um puxa o outro. Está muito bom ficar ao lado de um cara como ele, que é respeitador, calmo e traz bons pensamentos - completou.

Sarafian em duelo contra o companheiro de treinos CB Dollaway (FOTO: UFC)

Na sua quarta apresentação em solo nacional em Barueri, Daniel Sarafian tem o experiente Dan Miller pela frente e valorizou o histório do seu adversário, que tem seis anos de UFC. O atleta tupiniquim acredita que o público vai ver um grande espetáculo protagonizado pelos dois.

- Ele é um cara que vejo lutar há muito tempo, um lutador veterano e já lutou com grandes nomes como o Demian, Toquinho, Sonnen, entre outros. Ele vem para cá acostumado com a torcida brasileira, já que lutou aqui. O Miller atua como eu gosto, porque ele luta, vai para frente, solta o jogo e espero uma grande apresentação. Quanto mais difícil a vitória, mais ela será valorizada. Espero uma luta dura e um show para o público - finalizou o ex-TUF Brasil.