Capoeira

              Brasileiro é levantado por um dos seus treinadores, o Cristiano Marcello - (Foto: UFC)

LANCE!
10/10/2016
14:41
Rio de Janeiro (RJ)

A presença dos treinadores no córner de um lutador é fundamental para uma boa apresentação. Com a função de orientar e motivar seu comandado no embate, os treinadores, em alguns casos, são fundamentais também na vitória.

Assim foi com Elizeu Capoeira no último dia 1º, no UFC Fight Night 96, em Portland, Estados Unidos. O atleta da CM System venceu o japonês Keita Nakamura por decisão unânime dos juízes laterais em um combate marcado pelo equilíbrio, decidido nos detalhes.

E, segundo o lutador, os pontos decisivos vieram através da orientação de Cristiano Marcello, Marcelo Zulu e Felipe Silva, seus treinadores e que estavam em seu córner. Assim que teve Nakamura como adversário definido, Elizeu tratou de estudar o estilo de luta do japonês acompanhado por seus mentores. Tendo pela frente um lutador de excelência no grappling e finalizador nato, o brasileiro enfatizou em seus treinos a defesa de ataque pelas costas, ponto forte do japonês e observado por Cristiano Marcello, líder da CM System e responsável pelos treinos de jiu-jitsu da equipe. O treinamento fez com que Elizeu escapasse dos perigosos ataques sofrido pelas costas em duas oportunidades no combate.

- Estudamos o estilo dele e vimos que o ataque pelas costas era o ponto mais perigoso dele, então treinamos muito isso. O Cristiano Marcello me mostrou como sair daquela posição nos treinamentos, e durante a luta ele só me pediu para ter calma e lembrar de tudo que fizemos na CM System. Foi assim que consegui sair e atacar mais de pé, graças aos treinos com o Felipe Silva, que também é lutador do UFC. Estou cada dia mais seguro em meu jogo justamente por ter excelentes treinadores e companheiros de equipe - garantiu Elizeu.

Aos 28 anos, o lutador de Francisco Beltrão, no Paraná, alcançou sua 16ª vitória no MMA profissional, a segunda consecutiva no UFC em três lutas. Uma queda impressionante de suplex colaborou para o resultado positivo, e o ataque foi fruto de intensivos treinos com Marcelo Zulu, multicampeão brasileiro de luta olímpica e treinador da CM System. O movimento serviu também como um estímulo mental para a sequência do combate.

- A luta estava muito dura, o japonês aguentou muita pancada. Ele também é muito insistente nas posições, então tive que ganhar no volume de jogo. Sabia que o terceiro round seria decisivo, por isso entrei bem focado e consegui aquela bela queda, que serviu para eu me impor moralmente no octógono. Ganhei muita confiança depois daquele golpe, e tudo isso só foi possível pelos treinos com o Zulu - analisou.

Lesão na mão é o contratempo do combate

Nem tudo foi alegria para Elizeu Capoeira. Uma pequena lesão no dedo polegar da mão direita, fissuras no osso da base, levou o paranaense à mesa de cirurgia do médico Ivan Roberto Pancheniak na última quarta-feira, dia 5. O procedimento foi bem-sucedido, e Elizeu espera voltar ao octógono em fevereiro de 2017.

- Infelizmente, além de ganhar a luta, ganhei também uma lesão. Tive duas fissuras no dedo, mas já operei e estou me sentindo muito bem. O médico que me operou é da mesma junta responsável pela cirurgia no meu cotovelo, totalmente de confiança. Ele me disse que devo voltar aos treinos em 60 dias, e poderei lutar em fevereiro. Já estou ansioso para isso - encerrou Elizeu, bem-humorado.