LANCE!
29/11/2016
14:03
São Paulo (SP)

O desastre aéreo que vitimou 71 pessoas do voo da LaMia, matrícula CP2933, que levava o time da Chapecoense para Medellín, na Colômbia, palco do primeiro jogo das finais da Copa Sul-americana, sensibilizou diversos clubes brasileiros, que publicaram uma nota oficial conjunta na tarde desta terça-feira. O comunicado, originalmente assinado por Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo, visa o empréstimo de jogadores e uma medida de proteção à Chapecoense a partir da próxima temporada. Fluminense e Vasco foram outros a também assinarem o texto posteriormente.

"Neste momento de perda e de profunda tristeza, nós, presidentes de clubes brasileiros que publicam essa nota, gostaríamos de manifestar nossos mais sinceros sentimentos de pesar e solidariedade à Associação Chapecoense de Futebol e seus torcedores, e em especial às famílias e amigos dos atletas, comissão técnica e dirigentes envolvidos na tragédia ocorrida na madrugada desta terça-feira (29). Mesmo cientes dos prejuízos irreparáveis provocados por este terrível acontecimento, os clubes entendem que o momento é de união, apoio e auxílio à Chapecoense", comunicaram os clubes.

As medidas de solidariedade à Chapecoense em 2017 são as seguintes: empréstimo gratuito de atletas para auxiliarem na restruturação do clube na próxima temporada e solicitação à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para que a Chape não fique sujeita ao rebaixamento nas três próximas temporadas do Brasileirão. Caso a equipe catarinense fique entre as quatro últimas do torneio, o 16º colocado seria rebaixado.

"Trata-se de gesto mínimo de solidariedade que se encontra ao nosso alcance neste momento, mas dotado do mais sincero objetivo de reconstrução desta instituição e de parte do futebol brasileiro que fora perdida hoje", completaram os clubes paulistas, a princípio.

Finalistas da Copa Sul-americana pela primeira vez na história da Chapecoense, 19 jogadores morreram no acidente aéreo da madrugada desta terça-feira, além de 17 membros da comissão técnica (inclusive o treinador, Caio Júnior), 12 dirigentes ou convidados, sete membros da tripulação do voo e 20 jornalistas que iriam participar da cobertura da partida na Colômbia.

Segundo as últimas informações divulgadas no país, são seis sobreviventes, inclusive os jogadores Alan Ruschel, Follmann e Neto.