Entrevista especial com Tite (Foto: Eduardo Viana/ LANCE!Press)

Tite fala em assumir o comando da Seleção apenas em 2018, após a Copa (Foto: Eduardo Viana/ LANCE!Press)

Ana Canhedo
04/11/2015
16:24
São Paulo (SP)

(Quase) Campeão brasileiro com o Corinthians em 2015, o técnico Tite admitiu estar perto de atingir sua tão buscada plenitude para, enfim, poder colher os frutos da temporada vitoriosa e cheia de percalços. Em paralelo, seu nome estaria cada vez mais forte nos bastidores da Seleção Brasileira, como publicado pelo jornalista do L! Janca em seu blog, na manhã desta quarta-feira. Na noite da última terça, em conversa com a reportagem e sem ser questionado sobre tais especulações, o treinador assumiu que o Brasil está sim nos planos, mas apenas para 2018, após a Copa do Mundo da Rússia.

- Vai chegar a minha hora, sim. Quando? Quando eu merecer e quando o ciclo estiver encerrado. Porque eu assumo que tenho um pouquinho isso, sim, de vislumbrar, de querer isso um dia na minha vida. Mas vou querer ter tranquilidade para fazer meu trabalho. Deixa o Dunga terminar o dele, depois da Copa, quem sabe... Tomara que até lá eu esteja num bom momento e faça por merecer - disse, tranquilo.

E justamente seu trabalho excepcional no Timão é que pode fazer com que seus planos de dirigir a Seleção sejam antecipados em alguns anos. Seja como for, Tite garantiu que quer passar longe de ser um popstar, título, segundo ele, conquistado por caras como José Mourinho, do Chelsea, e Pep Guardiola, do Bayern de Munique.

- Sei da minha obra, sei da minha parcela, mas já passei dessa fase, sem essa de querer dar méritos ao treinador. O que conta, e em todos os meus trabalhos tem sido assim, é o conjunto, a equipe. Esses treinadores sim tem um perfil midiático, gostam disso. O que garanto que farei é sempre buscar algo novo, não tem coisa pior do que o treinador chegar todos os dias com as mesmas coisas - completou.

Para sacramentar o hexacampeonato do Corinthians, o time precisa vencer o Coritiba no sábado, às 19h30, em Itaquera, e torcer para o vice-líder do Campeonato Brasileiro, Atlético-MG, tropeçar diante do Figueirense, domingo, no Orlando Scarpelli, às 18h30.