Nelson Mufarrej

Presidente Nelson Mufarrej: Botafogo passa por uma grave crise financeira (Foto: Felippe Alcantara Rocha)

LANCE!
17/04/2019
12:23
Rio de Janeiro (RJ)

Se no fator esportivo o Botafogo iniciou uma nova etapa na última terça-feira, no administrativo, conseguiu uma vitória através dos tribunais. Isso porque, o clube viu Benedito Gonçalves, ministro do Superior Tribunal de Justiça e relator do processo, deferir um pedido de efeito suspensivo - impetrado pelo Alvinegro - que o permite pagar parcelas do Profut de junho de 2018 a agosto de 2020.

A informação inicial foi publicada pelo site Globo Esporte. O Profut é o programa de refinanciamento das dívidas dos clubes com a União. Cabe lembrar também que o Botafogo, por parte da Procuradoria da Fazenda Nacional e da Receita Federal do Brasil, corria o risco de ser excluído do Profut.

Em suma, a decisão trata-se de uma renovação do efeito suspensivo que já assegurava uma vitória judicial ao Botafogo em julho do ano passado, com as parcelas avaliadas em R$ 1 milhão. Referentes ao patrocínio da Viton 44 (investidora do clube de 2011 a 2014), os R$ 21 milhões que haviam sido penhorados pela União serão utilizados pelo Botafogo para quitar o que deve. 

O Botafogo passa por um grave crise financeira e, atualmente, está em débito quanto ao mês de março com o seu elenco. A entrada dos citados R$ 21 milhões, contudo, não significa embolso para os cofres do Glorioso, mas, sim, que o clube terá que onerar seu caixa com novos recursos em prol da amortização, o que não deixa de ser um alívio para o delicado momento.