icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
27/08/2015
09:45

O ano do Vasco renasceu na quarta-feira. A classificação sofrida sobre o maior rival com um Maracanã praticamente inteiro rubro-negro mostra que o 2015 do Cruz-Maltino ainda pode ser mais feliz do que muitos pensam. E, neste ponto, não fala-se apenas sobre Copa do Brasil, mas também sobre Brasileirão.

Se o Vasco tivesse sido eliminado para o Flamengo, a temporada estava acabada. O rebaixamento no Brasileirão, algo que assombra os vascaínos nos últimos meses, poderia ser praticamente decretado. Afinal de contas, diante de tantas dificuldades, cair para o arquirrival, mesmo que seja em outra competição, desanimaria tanto a torcida quanto os jogadores.

Agora, o ano recomeça. O Cruz-Maltino terá duas competições para disputar de forma simultânea. Uma, é claro, não pode atrapalhar a outra, e o foco deve ser o Brasileiro. Mais vale evitar um possível terceiro rebaixamento do que priorizar uma competição em que ainda faltam três fases. Dá para conciliar? Sim, mas o trabalho físico e psicológico da comissão técnica terá de ser magnífico até o final do ano.

Apesar da festa pela classificação, não teve como não perceber alguns problemas da equipe no clássico. O ataque precisa funcionar muito mais. Aliás, a insistência de Jorginho com Riascos é algo que chega a ser incompreensível. O colombiano era o pior em campo na noite passada e só foi substituído na metade do segundo tempo. Foi, aliás, a primeira mexida do treinador.

Que a classificação dê um ânimo aos torcedores que, apesar de todos os problemas recentes, decepcionaram ontem. As arquibancadas vazias foram um contraste com a festa pela vaga conquistada em cima do maior rival. Muitos que não foram devem ter ficado arrependidos. Tudo pode ser compensado sábado, contra o Figueirense. No Brasileiro, a torcida será fundamental.

O ano do Vasco renasceu na quarta-feira. A classificação sofrida sobre o maior rival com um Maracanã praticamente inteiro rubro-negro mostra que o 2015 do Cruz-Maltino ainda pode ser mais feliz do que muitos pensam. E, neste ponto, não fala-se apenas sobre Copa do Brasil, mas também sobre Brasileirão.

Se o Vasco tivesse sido eliminado para o Flamengo, a temporada estava acabada. O rebaixamento no Brasileirão, algo que assombra os vascaínos nos últimos meses, poderia ser praticamente decretado. Afinal de contas, diante de tantas dificuldades, cair para o arquirrival, mesmo que seja em outra competição, desanimaria tanto a torcida quanto os jogadores.

Agora, o ano recomeça. O Cruz-Maltino terá duas competições para disputar de forma simultânea. Uma, é claro, não pode atrapalhar a outra, e o foco deve ser o Brasileiro. Mais vale evitar um possível terceiro rebaixamento do que priorizar uma competição em que ainda faltam três fases. Dá para conciliar? Sim, mas o trabalho físico e psicológico da comissão técnica terá de ser magnífico até o final do ano.

Apesar da festa pela classificação, não teve como não perceber alguns problemas da equipe no clássico. O ataque precisa funcionar muito mais. Aliás, a insistência de Jorginho com Riascos é algo que chega a ser incompreensível. O colombiano era o pior em campo na noite passada e só foi substituído na metade do segundo tempo. Foi, aliás, a primeira mexida do treinador.

Que a classificação dê um ânimo aos torcedores que, apesar de todos os problemas recentes, decepcionaram ontem. As arquibancadas vazias foram um contraste com a festa pela vaga conquistada em cima do maior rival. Muitos que não foram devem ter ficado arrependidos. Tudo pode ser compensado sábado, contra o Figueirense. No Brasileiro, a torcida será fundamental.