icons.title signature.placeholder Felipe Bolguese
16/12/2013
07:30

Há um ano, o Corinthians conquistou o Mundial no Japão e chegou ao ponto máximo de sua história recente. A equipe, que havia vencido a inédita Libertadores meses antes, sonhava com uma hegemonia na América do Sul. A realidade em 2013 foi bem diferente e, hoje, o Mundial parece distante para o trabalho que será iniciado em 2014 com Mano Menezes.

Há poucas referências do Mundial para Mano colocar a equipe de volta ao caminho das glórias. Chicão, Paulinho e Jorge Henrique deixaram o clube. Alessandro se aposentou. Cássio, Fábio Santos, Emerson e Guerrero tiveram uma temporada ruim e chegam sob desconfiança para o próximo ano. Apenas Paulo André e Ralf lembram aqueles jogadores que conquistaram o mundo.

Financeiramente, o clube também alça voos menores. Reforços milionários foram descartados pela diretoria, que sonha com investidores para contar com Elias, do Flamengo, e Marcelo, do Atlético-PR. Os cerca de R$ 60 milhões gastos com Pato (R$ 40 milhões), Renato Augusto (R$ 9,5 milhões) e Gil (R$ 9,5 milhões) não deram resultados. Destes, apenas o último teve ano excelente e se firmou como titular.

A relação com a torcida, que foi de apoio irrestrito da Libertadores-2012 até o primeiro semestre deste ano, também já mudou. Os últimos meses foram marcados por protestos na porta do CT Joaquim Grava e perseguição a alguns jogadores, como Romarinho e Sheik. A cobrança por aquele “time do Mundial” existe até hoje entre a torcida corintiana.

O Corinthians de 2013 conviveu com a sombra do Mundial e, apesar dos títulos do Paulistão e da Recopa, o ano é negativo, principalmente pela não participação na Copa Libertadores em 2014. A competição sul-americana, em que Mano fracassou em 2010, no ano do centenário, só poderá voltar ao caminho em 2015.

Mano, com um cenário bem melhor do que 2008, tem a noção de que 2012 também está bem distante...

No Mundial...

...Entrosamento
Equipe era praticamente a mesma que havia vencido o Brasileirão-2011 e a Libertadores-2012. Esquemas táticos funcionavam e o preparo físico estava em alta.

...Craque e decisivos
Paulinho era o ponto de desequilíbrio da equipe e sempre decidia os jogos para o Timão. Toque genial na jogada do gol da final do Mundial foi marcante. Danilo, em grande fase, era decisivo, assim como Cássio, que fechava tudo.

Atual...

...Time cansado
Equipe não teve fôlego no segundo semestre e jogadores, mais velhos ou lentos por característica, contribuíram para a queda de intensidade.

...Estrela apagada
Pato, que custou R$ 40 milhões aos cofres do clube, teve ano ruim, principalmente com a perda do pênalti nas quartas de final da Copa do Brasil contra o Grêmio. Atacante é cobrado por vontade em campo.

...Pressão
Segundo semestre fez torcida voltar a ficar intolerante.

Os titulares e o treinador da decisão

Cássio
Herói da conquista, teve um 2013 marcado por falhas e lesões. Defendeu pênaltis importantes contra o São Paulo.

Alessandro
Perdeu a posição para Edenilson e jogou improvisado na esquerda. Aposentou-se no fim do ano e deve virar gerente.

Chicão
Perdeu a vaga para Gil logo no início do ano, após sair lesionado. Sem acordo na renovação, saiu para o Flamengo.

Paulo André
Manteve o nível alto de atuações e teve boa temporada, com gol na final do Paulistão. Zaga foi o ponto forte do time.

Fábio Santos
Teve um ano irregular, com lesão grave no púbis. Antes, ele era alvo de críticas da torcida em jogos no Pacaembu.

Ralf
Manteve a regularidade e a boa proteção à zaga. Sondado pela Europa, diz que fica no clube até o fim do contrato, em 2015.

Paulinho
Craque do time, ficou até julho e, depois da Copa das Confederações de 2013, saiu vendido para o Tottenham (ING).

Danilo
Seguiu decisivo e teve estrela com gols nas finais do Paulistão e da Recopa. Mal no 2º semestre, pode sair em janeiro.

Jorge Henrique
Após caso de noitada e mentira a Tite no Paulistão, foi barrado e, depois, acabou vendido para o Internacional-RS.

Emerson Sheik
Seguiu sem reencontrar o futebol da Libertadores. É perseguido pela torcida e pode sair para o Flamengo em 2014.

Guerrero
Foi artilheiro no Paulistão e fez gol na Recopa, mas depois foi irregular. Lesão o tirou da reta final do Brasileirão.

Tite
Pressionado por maus resultados no 2º semestre, quase entregou o cargo antes. Despediu-se com o fim de seu contrato.