icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
22/02/2015
11:03

O São Paulo enfrentou dias difíceis após a derrota por 2 a 0 para o Corinthians, na abertura da fase de grupos da Copa Libertadores, na última quarta-feira. A pressão sobre o técnico Muricy Ramalho se intensificou, Paulo Henrique Ganso pediu para não jogar na rodada deste fim de semana do Paulistão, e o San Lorenzo (ARG) venceu o Danubio (URU), jogando a responsabilidade nas costas do Tricolor, que recebe os uruguaios na quarta, às 22h, no Morumbi. O confronto se tornou decisivo para as ambições da equipe na temporada, e o capitão Rogério Ceni sabe muito bem disso.

- Esse passou a ser um jogo em que a vitória é mais do que importante para a gente. Temos que ganhar, correr atrás do prejuízo, porque um sexto da primeira fase da Libertadores já ficou para trás. Perdemos três de 18 possíveis, na matemática fria. Na quarta-feira, com o nosso torcedor em casa, precisamos fazer os três primeiros pontos e aguardar o jogo entre Corinthians e San Lorenzo para ver próximo de quem a gente fica na classificação. Precisamos depender das nossas forças, não como foi em 2013 - disse o goleiro, lembrando o susto que o Tricolor passou dependendo de uma vitória e uma combinação de resultados na última rodada da última Libertadores disputada pelo clube.

Eliminado nas oitavas de 2013 pelo campeão Atlético-MG, o São Paulo quer fazer papel mais bonito nesta temporada. Para isso, Rogério conta com a presença do técnico Muricy Ramalho, que sofreu forte pressão pela atuação abaixo do esperado no meio de semana, mas segue firme no cargo. Após a vitória por 4 a 0 diante do Osasco Audax, pelo Paulistão, o goleiro defendeu o comandante e criticou o que chamou de "factóides" sobre o cargo de Muricy estar ameaçado. 

- Eu nunca vi relacionamento ruim da diretoria com comissão, me estranha ouvir que ele estaria balançando. Mas é futebol, não surpreende notícias serem criadas. Hoje tem blog, cada um fala o que quer. Mas o Muricy tem história, carreira solidificada, não abala nada essa criação de factóide. Nós temos que ganhar jogo. Goleiro que pega e não deixa a bola entrar é bom, goleiro que não pega é ruim, não tem meio termo, é oito ou 80. Se ganha é bom, se perde não. Vamos buscar - afirmou Ceni, que ainda precisou dar explicações sobre a ausência de Ganso na partida contra o Osasco Audax.

- As palavras dele em relação ao árbitro foram de cabeça quente. O árbitro errou, apitou o jogo todo de uma maneira e não apitou a falta "mais falta" do jogo, o que coincidiu no gol do Corinthians. O negócio de roubou ou não é quando você joga uma pelada de fim de semana, não quer dizer que ele é ladrão literalmente. Mas isso faz parte do passado, temos que voltar a cabeça para quarta-feira - disse o goleiro, que espera a participação de Ganso no meio de semana.

O meia saiu da Arena Corinthians irritado na quarta-feira por conta da atuação do árbitro Ricardo Marques Ribeiro, a quem chamou de ladrão. Após a reapresentação, Ganso disse que não se sentia apto para entrar em campo neste sábado. Segundo Muricy, deve voltar contra o Danubio.