Neymar - Arte

Ao lado de Lewandowski, adversário na final da Champions, brasileiro é o favorito ao prêmio The Best (Foto: Arte L!)

João Marcos Santana*
23/08/2020
09:00
Rio de Janeiro (RJ)

“Será uma honra ganhar o prêmio de melhor do mundo”. Esta foi a frase dita por Neymar ao jornal “Daily Star”, da Inglaterra, após a classificação do Paris Saint-Germain à final da Liga dos Campeões. Aos 28 anos, o craque brasileiro nunca esteve tão próximo de ser eleito o melhor jogador do planeta como está neste ano de 2020. E caso o brasileiro conduza o PSG ao título da Champions, o nome de Neymar vira o grande favorito a receber o prêmio.


Apesar de já ter sido eleito o terceiro melhor do mundo em duas oportunidades (2015 e 2017), Neymar agora não terá a concorrência de Cristiano Ronaldo e Messi, que dominaram o prêmio nos últimos anos e foram os responsáveis por impedir que o atacante da Seleção Brasileira chegasse ao topo quando esteve entre os três melhores.

No entanto, a ausência do português e do argentino não quer dizer que a disputa seja fácil para o jogador revelado no Santos. Pelo contrário. Neymar tem pela frente o atacante Robert Lewandowski, do Bayern de Munique, adversário do Paris Saint-Germain na decisão da Liga dos Campeões. O polonês, de 32 anos, vive a melhor temporada de sua carreira e marcou incríveis 55 gols em 46 partidas na temporada. Se o Bayern confirmar o título, o prêmio, provavelmente, irá para o camisa 9.

Mas o assunto não é Lewandowski, e sim Neymar. Mais maduro, o jogador parece ter deixado de lado o ‘Menino Ney’ para assumir o ‘Adulto Ney’. Com muitas polêmicas ao longo da carreira e cercado de críticas por parte de torcedores e imprensa, o brasileiro quis “esquecer o lado de fora”, conforme disse em uma entrevista em dezembro, quando marcou contra Galatasaray, pela Liga dos Campeões, e comemorou com o gesto de silêncio.

- É uma comemoração entre eu e alguns amigos. É uma nova forma de comemorar, é uma forma de esquecer o lado de fora, é “falar menos e jogar mais”. Isso que é o mais importante - disse Neymar ao “Esporte Interativo”.

PSG x Galatasaray - Neymar - Comemoração de silêncio
Neymar comemorando com gesto de silêncio na Liga dos Campeões (Foto: FRANCK FIFE / AFP)

E realmente Neymar falou menos e jogou mais. Muito mais. Antes do início da temporada, o Barcelona tentou repatriar o atleta, que tornou público o seu desejo de retornar ao time espanhol. Sem acordo, porém, permaneceu no Parque dos Príncipes. E a volta do jogador ao time francês foi em clima hostil por parte dos torcedores. No dia 14 de setembro, na partida contra o Strasbourg, a primeira do jogador em 2019/20, a torcida do PSG levou uma faixa ao estádio do time com os dizeres “Neymar Pai, venda seu filho na Vila Mimosa”. O local é uma zona de prostituição no Rio de Janeiro.

O brasileiro era vaiado pela própria torcida do Paris a cada vez que pegava na bola. Mas ele quis falar menos e jogar mais na temporada. Nos acréscimos da partida, Diallo cruzou da esquerda e o camisa 10, calando seus torcedores, marcou o gol da vitória de bicicleta. Na semana seguinte, contra o Lyon, fora de casa, novamente o PSG empatava em 0 a 0 e o craque marcou o gol da vitória no finalzinho.

- Já joguei em vários estádios sendo vaiado. É triste, mas sei que a partir de agora será como jogar todo jogo fora de casa. Deixo claro que não tenho nada contra os torcedores, nem nada contra a entidade Paris Saint-Germain, mas todo mundo sabe que eu queria sair, sim, e deixei claro isso. Mas não vou entrar em detalhes do que aconteceu nas negociações. As pessoas presentes aqui sabem o que aconteceu e isso é uma página virada. Hoje sou jogador do Paris Saint-Germain e prometo dar tudo em campo, cumprir o meu papel e ser feliz dentro de campo. Não preciso que gritem meu nome e nem que estejam ali por mim. E sim pelo PSG. Eles têm que esquecer o que aconteceu e apoiar o time, que acho que é melhor do que vaiar - disse Neymar após a estreia contra o Strasbourg.

PSG x Strasbourg
Faixa da torcida do PSG hostilizando Neymar (Foto: Reprodução)

Neymar fez apenas 26 jogos na atual temporada. Um número baixo, mas que é em função de algumas lesões no início e no meio da temporada, e também por conta da pandemia do novo coronavírus, que fez o Campeonato Francês ser encerrado ainda a dez rodadas do fim - o PSG ainda tinha 11 jogos a fazer. Ao todo, o craque marcou 19 gols e deu 12 assistências. Em números, Mbappé até foi superior, mas em atuações o brasileiro se destacou mais do que o camisa 7.


Na Liga dos Campeões, competição que Neymar teve a incumbência de conquistar quando foi contratado por 222 milhões de euros, o atacante, que virou um meia na temporada - o chamado 'playmaker' - tem três gols e quatro assistências. Dois desses passes foram na fase final, em Portugal. O primeiro, providencial. O PSG perdia para a Atalanta até os 43 minutos do segundo tempo e estava sendo eliminado, quando o camisa 10 serviu Marquinhos. O gol da virada, marcado por Choupo-Moting em passe de Mbappé, começou nos pés de Neymar, aos 47 minutos.

Agora chegou a hora do capítulo final desta temporada. Neymar tem a chance de erguer a Orelhuda, cumprir o objetivo para o qual foi destinado quando desembarcou em Paris, e voar rumo ao The Best (prêmio da Fifa ao melhor jogador do mundo). Será que o pai vai continuar online?