Santos x São Bento - Ângelo e Kaio Jorge

Ângelo e Kaio Jorge foram destaques do Santos diante do São Bento (FOTO: Ivan Storti/Santos FC)

LANCE!/DIÁRIO DO PEIXE
10/05/2021
15:40
SANTOS (SP)

Clichê ou não, o Santos é um time que trabalha quase sempre com boas promessas. Com os graves problemas que o clube enfrenta, inclusive proibido de fazer contratações com o transferban, o auxiliar técnico Marcelo Fernandes conversou sobre com a imprensa sobre a personalidade dos Meninos da Vila. Na partida contra o São Bento, seis dos 11 titulares eram formados na base do clube.

- É uma responsabilidade enorme, mas os jogadores do elenco inteiro são responsáveis e profissionais ao extremo. Não importa se tem 16, 20 ou 35, todos estavam focados. Foram dias que tentamos tirar a carga deles, fazer ambiente leve. Não era momento de entupir jogador de um monte de coisa. Muita pressão e dados não são possíveis agora. E dias são maravilhosos, CT, vestiário. Dias maravilhosos e só quero agradecer - disse Marcelo.

O garoto Ângelo, de 16 anos, que deu uma assistência para Kaio Jorge marcar o segundo gol santista, começou a partida nervoso, errando alguns passes e dribles. Durante o primeiro tempo, o treinador falou para o jogador "tocar duas de lado" para ganhar confiança, conforme a transmissão da partida flagrou.

- Ângelo é um grande diamante bruto que temos que lapidar direitinho. Ele enche os olhos nos treinamentos. Antes do gol, gritamos muito para ele sobre a marcação também. Fez tudo que pedimos. Ele é excelente, assim como Pirani e a molecada toda que tem entrado e dado conta do recado, como o Balieiro, Malthus... São grandes jogadores e vamos maturando ele. Foi jogo pesado psicologicamente para criança de 16 anos. Estava preocupado com a molecada, tentei tirar a carga na resenha, brincar. Deixamos eles tranquilos, são garotos do bem e fazem o melhor pelo clube - aponta Marcelo.

O treinador santista também comentou sobre as lições que o Peixe e os jovens jogadores passaram com essa fase ruim. Fernandes também comentou sobre as perdas por lesão e vendas.

- Lições importantíssimas. Um clube como o Santos não pode passar por isso. Não é de hoje, Rueda, Holan... Vem de trás com transfer ban, decisões equivocadas. Fomos no limite na Libertadores com um trabalho maravilhoso do Cuca. Momentos complicadíssimos, mas Cuca teve a maestria de tomar conta. Virou a chave e isso continuou. Perdemos jogadores importantes como Pituca, Veríssimo, Soteldo agora, todos os camisa 8 machucados. Precisamos ter calma, diretoria faz trabalho exemplar e o que pode para deixar o clube redondo. Estão todos no CT falando com a gente, explicando sobre tudo, quitando o que estava em aberto. Temos que ter calma, torcida quer ganhar e nós também. Não fizemos mais do que a obrigação hoje, não estamos felizes por não termos caído. Graças a Deus isso acabou - finalizou.