Zenit Arena, em São Petersburgo (Foto: Igor Siqueira)

Zenit Arena, em São Petersburgo (Foto: Igor Siqueira)

Igor Siqueira
03/07/2017
07:10
São Petersburgo (RUS)

São Petersburgo não é uma cidade qualquer. As paredes falam. E a natureza também.

A arquitetura da cidade remonta a pelo menos três momentos, que se entrelaçam diante dos olhos dos torcedores que se dispuseram a ir à Rússia para os jogos da Copa das Confederações.

Há a Rússia com DNA indiscutível da ex-união soviética, com prédios construídos de forma padronizada, cinzenta, para corroborar o discurso socialista de que ninguém é maior do que ninguém, na busca por uma igualdade social gerada por um governo controlador. Os prédios em cadeia em parte da cidade dão um ar de anos 1980 em parte da cidade, sobretudo nas áreas mais industriais.

Por outro lado, há o centro histórico. Esse, sim, respira cultura e um conteúdo ímpar, que remete às eras dos Czares, como eram chamados os imperadores. Um espaço muito rico, com construções inspiradoras, não só quando se trata de igrejas.

E isso tudo se completa com pedaços de São Petersburgo que foram "infectados" pelo vírus da modernidade. E a Arena Zenit, palco da final, é um desses pontos. Um estádio que demandou altíssimo investimento (mais do que Maracanã e Arena Corinthians, somados) e virou cartão postal junto ao Golfo da Finlândia.

No verão, uma cidade interessantíssima pelas belezas naturais. Um sol que "teima" em brilhar, mesmo madrugada a dentro. E por isso as pessoas caminham à noite pelo centro histórico, como se fosse o fim da tarde. Um tom alaranjado que dá mais charme e beleza à paisagem, sobretudo em contraste com o mar e com as antigas construções. Um repertório vasto para quem quiser ir à Copa-2018 (Dica: parece difícil, mas vale a pena aprender um pouco do idioma local, sobretudo para evitar perrengues mais sérios).

Mas cuidado! As pontes podem trazer problemas no deslocamento. Pouco depois de 1h, elas são elevadas para passagem de embarcações. Como a parte central de São Petersburgo é composta por ilhas (o estádio fica em uma, por exemplo), isso pode trazer transtorno no deslocamento na parte escura (?) do dia. Mas essa pode ser justamente a oportunidade de desbravar a riqueza da cidade fundada por Pedro, o Grande, lá em 1703.