Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
16/11/2016
06:45
São Paulo (SP)

O Corinthians terá um adolescente na zaga nesta quarta-feira à noite, às 21h45, contra o Figueirense, pela 35ª rodada do Brasileirão. E engana-se quem pensa que isso é demérito. Mesmo aos 17 anos, Léo Santos é alta aposta do Timão – tanto que vai atuar como titular do time profissional em um jogo decisivo quando, na verdade, tem idade para jogar entre juvenis do clube.

Léo Santos pode ter idade suficiente até para ser titular do Corinthians, mas ainda não tem para certas coisas. Uma delas é dirigir. A menos de um mês de atingir a maioridade, o garoto cultiva hábitos de adolescente comum, como andar de ônibus e metrô para ir aos treinos. Sorte é quando tem carona para ajudar...

– Ando de ônibus e de metrô, nunca tive problema nenhum (risos). Minha rotina é normal, cara. É como a de qualquer outro adolescente – disse, em entrevista ao LANCE!, o jovem e bem-humorado defensor.

Léo Santos se formou no colegial no fim do ano passado. Neste ano, disputou a Copa São Paulo de Juniores pelo Corinthians, agradou e logo foi promovido ao elenco principal. Ele já foi treinado por Tite, Cristóvão Borges e agora Oswaldo de Oliveira e já está acostumado a fazer trabalhos complementares com o auxiliar Fabio Carille, que foi zagueiro nos tempos de jogador. Os treinos extras, o tempo como profissional e, especialmente, os desfalques de Yago, Balbuena e Vilson abriram espaço para o zagueiro adolescente, que tem vivido uma rotina de gente grande e passará muito em breve por um dilema. Fora de campo, evidentemente.

– (Risos) Ainda não pensei no carro que vou comprar, não. Preciso primeiro tirar a carta, né? Mas acho que eu vou começar com um simples mesmo, sem ostentação – ele brinca.

De ônibus e metrô, o menino criado em Itaquera, bairro da Zona Leste de São Paulo onde fica localizado o estádio do Corinthians, começou no futebol justamente na escolinha Chute Inicial, do Timão. Isso aos 5 anos. Ele entrou de vez nas categorias de base do clube para atuar no sub-13, mas só foi embalar a partir de 2012. Desde então, foram sete títulos pela base do Corinthians e mais três pela Seleção Brasileira – ele até foi sparring dos treinos de Tite na Seleção principal recentemente, além de constantes convocações para as equipes inferiores.

Na base, Léo Santos se consolidou e, por isso, virou aposta do Corinthians tão precocemente. Ele pode não dirigir, mas sabe o que fazer em campo e já pensa grande.

– Nossa meta é a Libertadores.

Bate-bola com Léo Santos, zagueiro do Corinthians:

Você se sente preparado para estrear como jogador profissional?
São cinco anos desde que cheguei no Corinthians, trabalhando duro sempre com esse objetivo de chegar no profissional e jogar. Eu me sinto pronto, sim. Eu me sinto preparado para essa responsabilidade que terei.

Quem é o seu maior ídolo no futebol? Pode citar um zagueiro que atualmente te inspire?
Meu grande ídolo é o Marquinhos, do Paris Saint-Germain (FRA). Eu procuro me inspirar demais nele, ver lances de jogos. Ele é criado no Corinthians também, por isso é uma inspiração.

Você tem apenas 17 anos, mas responsabilidades de um adulto. Mesmo assim, ainda possui uma rotina de um adolescente?
Embora eu não tenha muito tempo livre, eu faço coisas normais da minha idade. Sei lá, tipo ir no mercado para minha mãe, cortar o cabelo, sair com os amigos. Sempre visito meus familiares também. Agora não tenho mais que ir para a escola, porque terminei o colegial no ano passado.