LANCE!
25/11/2016
19:56
São Paulo (SP)

O Corinthians rebateu nota oficial emitida pela construtora Odebrecht e mais uma vez se posicionou de forma contundente nesta sexta-feira. Desta vez, porém, o clube mostrou suspeitar até de riscos aos frequentadores do estádio e pediu que a responsável pela obra garanta a segurança da realização da partida deste sábado, contra o Atlético-PR, às 21h.

O Timão também divulgou em seu site oficial fotos da intervenção realizada pela Odebrecht nesta semana. Segundo o clube, ao contrário do que afirma a construtora, não estão sendo feito pequenos reparos de manutenção, mas sim grandes obras.

Segundo o clube, um relatório da auditoria que está sendo realizada no estádio "demonstra que é possível a rápida evolução do quadro da erosão."

Confira abaixo a nota na íntegra: 

"Preliminarmente, no que tange à construção da Arena Corinthians, importante relembrar que a Construtora Norberto Odebrecht deu por concluída, unilateralmente, a Obra desta Arena em meados de setembro de 2015, mesmo inexistindo emissão do Certificado de Aceitação Final da Obra e o devido recebimento/aceite desta por parte do Clube. Apesar da (ficta) entrega, é fato notório, e de conhecimento do público em geral, a não conclusão da Obra, uma vez que certas falhas podem ser observadas a olho nu, não obstante aquelas que exigem maior avaliação, a qual está sendo realizada por empresas especializadas, sobretudo de engenharia, na Auditoria Geral da Arena Corinthians. Corroborando com isto, a própria Odebrecht afirmou ter deixado, na visão dela, não ter realizado o equivalente a R$ 40.000.000,00 (quarenta milhões de reais) na Obra da Arena Corinthians, conforme reportagem, de 18 de novembro de 2016, do Globoesporte.com, intitulada “Odebrecht admite ter deixado R$ 40 milhões em obras por fazer na Arena”.

Não obstante à questão financeira, em diversas oportunidades em que o Clube questionou a Construtora Norberto Odebrecht a respeito de riscos de acidentes ou quedas na Arena Corinthians, a Construtora se posicionou no sentido destes inexistirem, conforme Cartas apresentadas por esta diretamente ao Clube em casos específicos, posteriormente à exigência por parte dele com orientação do Escritório de Advocacia contratado, incluindo-se a Carta com referência “Resposta à correspondência datada de 01 de Novembro de 2016”, publicada, em 09 de Novembro de 2016, no UOL, na qual engenheiro da Construtora, Sr. Ricardo Corrégio, afirmou que “[...] do ponto de vista técnico, não existe qualquer motivo para interditar a Arena ou suspender sua utilização”.

Considerando este quadro, além da declaração da própria Construtora Norberto Odebrecht de que não realizaria mais atividades na Arena Corinthians em setembro de 2015 (vide, por exemplo, matéria do Estadão, denominada “Odebrecht encerra atividades na Arena e preocupa Corinthians”, de 30 de setembro de 2015, foi descoberta na última sexta-feira (18/11/2016), por engenheiros da Auditoria, que a Construtora estaria realizando intervenções na Arena Corinthians e projetava novas atuações na sequência. Esta situação foi comunicada ao Escritório Molina & Reis Advogados, coordenador da Auditoria Geral da Arena Corinthians, que trouxe a conhecimento deste Presidente do Sport Club Corinthians Paulista.

Tomando ciência do ocorrido, foi realizado questionamento à Construtora para prestar esclarecimentos sobre os fatos, bem como expressar se havia risco ao público frequentador da Arena e/ou possibilidade de acidentes no estádio. Em resposta por mensagem eletrônica, engenheiros da Construtora Norberto Odebrecht afirmaram que se tratava de pinturas dos gradis no prédio sul e visita em redes de drenagens, e que não havia risco de acidentes e consequente exposição do público na Arena.

Diante da inexistência de riscos, conforme relato da Construtora, para a correta realização dos trabalhos, sem prejuízos à Auditoria da Arena Corinthians e proteção do Clube, foi determinada, por este Presidente, a apresentação prévia de detalhamento para que possíveis impactos da intervenção na Arena fosse adequadamente avaliada juntamente com as empresas de engenharia e arquitetura que atuam na Auditoria, além do Escritório contratado para a coordenação deste procedimento.

O referido detalhamento não possui a finalidade de proibir que a Construtora realize atividades necessárias, mas sim de regrar ou disciplinar eventuais intervenções para que o Clube tenha ciência do que será feito na casa do torcedor corintiano, embasadas em documentação adequada. Nesse sentido, foi colocado à Construtora a necessidade de apresentação do que será feito, por qual motivo, prazo para conclusão, riscos de não realização, número de funcionários, causas e efeitos da atividades (e de sua não atividade), alterações que serão realizadas no Projeto da Obra ("atual"), Contrato junto à Subcontratada (para visualizar serviços prestados, quantidade de colaboradores, prazos e razão social da empresa), ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) da Obra, Registro no CREA e outros órgãos necessários, Projeto específico desta Obra, seguro garantia da obra, etc.

Apesar disso, em completo desrespeito à determinação do Clube, a Construtora iniciou trabalhos na Arena Corinthians, os quais constataram-se não se tratar de mera visita/vistoria ou simples manutenção preventiva, mas sim de obra de porte considerável, como se pode verificar nas fotografias anexas. A gravidade da situação se ampliou na medida em que engenheiros da Auditoria foram visitar o local no início desta semana para verificar o que estava sendo realizado e sofreram, conforme relatos, constrangimentos de engenheiros da Construtora, tendentes a dificultar o trabalho destes (engenheiros auditores), além do fato de que na quarta-feira (23/11/2016), quando da chegada da equipe de Auditoria, o tapume foi trancado e os funcionários (da Construtora) se retiraram da localidade. Isto nos induz a acreditar que possam estar sendo omitidos ou ocultados fatos relevantes ao Clube, além de suas possíveis causas e potenciais consequências, e, ainda, prejudicar os trabalhos da Auditoria em curso.

Sem contar todo o histórico supracitado, não condiz com a verdade a afirmação da Construtora em Carta enviada, ora respondida, de que a ocorrência teria sido levantada pela Auditoria e que o Clube tinha conhecimento disto e nada fez. Todos os Relatórios de Auditoria estão sendo elaborados, porém não haviam sido apresentados, até a data de ontem, ao Clube, que como Contratante desta, tem conhecimento maior do que está sendo feito do que a Construtora.

É, igualmente, absurda a imputação de responsabilidade à manutenção da Arena, por parte da Construtora Norberto Odebrecht. Primeiramente, destaca-se que pela estrutura da Arena Corinthians, a responsabilidade de contratação de empresa de manutenção predial é do Arena Fundo de Investimento Imobiliário – FII e não do Clube, que figura como interveniente apenas. Destaca-se, inclusive, que como a obra da Arena Corinthians não se encontra entregue, posto que inexiste CAF (Certificado de Aceitação Final), as garantias e a própria manutenção da obra devem ser realizadas pela Construtora, sendo que, ainda assim, o Fundo e o Clube, visando garantir o máximo de segurança aos frequentadores da Arena, buscaram empresa de manutenção predial para atuar no estádio.

Entretanto, independentemente do mencionado acima, é totalmente ilógica a tentativa de alegação da Construtora de falhas na manutenção, observando as fotos anexas, é impossível se afirmar que se trata de manutenção, afinal, do contrário, estar-se-ia considerando que para a atividade de manutenção faz-se necessária a abertura de passagem pela parede para os trabalhos, deslocamento de caminhão para trazer boa quantidade de materiais e até mesmo que se erguesse estrutura de concreto de 1,5m em dias, como constatado visualmente. Portanto, é certo que estamos diante de uma Obra e não atos atinentes a manutenção da Arena.

Novamente, não há veracidade na afirmação da Construtora de que houve unilateral impedimento de exercício das atividades, como já colocado anteriormente em e-mails e nesta Carta, foram sim estabelecidas regras para a entrada da Construtora, que deixou de apresentar o detalhamento solicitado e iniciou, sem autorização, obras na Arena. Frise-se que a Construtora tinha conhecimento da necessidade de apresentação de documentos e informações e não o fez, além desta ter deixado claro que não há quaisquer riscos de acidentes.

Outrossim, é totalmente despropositada a tentativa da Construtora de se eximir de qualquer responsabilidade, já que a construção da Arena Corinthians foi por ela realizada, ela afirmou inexistir exposições à vida das pessoas e possibilidade de acidentes e a atuação nesta área somente ocorreu, novamente, por ela própria ou por terceiros (por ela) subcontratados. Constata-se que este Presidente se baseou nas informações da Construtora Norberto Odebrecht de que não há riscos, exatamente por isto, atuou com maior cautela e sem antecipação de etapas. Naturalmente, se a Construtora, que possui conhecimentos de engenharia para tal (diferentemente deste Presidente) tivesse demonstrado que se trata de situação urgente ou emergencial, a atuação deste Presidente seria diversa e com visão mais protetiva possível ao Clube e Arena, incluindo todos seus frequentadores e torcedores, ainda que permanecesse necessária a apresentação de detalhamento e do respeito à legislação vigente na área de construção civil.

Essa busca pela retirada de responsabilidade nos fez indagar se condiz com a verdade a afirmação inicial (antes dos trabalhos) que não existem riscos iminentes. Exatamente por isto, foi solicitado, de maneira urgente, a apresentação de Relatório de Vistoria da Auditoria, que constatou que o problema se origina em falha na construção, inclusive pelo fato de inexistir acesso direto ao local para a operação de manutenção da Arena.

Em mesmo documento, recebido na presente data (25/11/2016), demonstra-se que é possível a rápida evolução do quadro da erosão, motivo pelo qual requer-se que a Construtora Norberto Odebrecht se posicione afirmando se há ou não riscos iminentes no local, diferentemente do afirmado anteriormente em correspondências, além de precisar se há necessidade de isolamento de qualquer área da Arena Corinthians, sobretudo pelo evento na data de amanhã (Corinthians x Atlético Paranaense – Campeonato Brasileiro), devendo, ainda, apresentar toda a documentação para a legalidade e adequação de continuidade da obra, prontamente."