Krieger e Rapinoe

Ali Krieger e Megan Rapinoe fazem parceria de longa data na seleção dos Estados Unidos (Foto: Reprodução)

LANCE!
04/07/2019
18:52
Lyon (FRA)

Além de apresentar um bom futebol e ser finalista da Copa do Mundo feminina, a seleção dos Estados Unidos também mostra engajamento em causas político-sociais. Depois que a capitã Megan Rapinoe afirmar que, caso a equipe vença o Mundial, não vai à Casa Branca celebrar com o Presidente Donald Trump, a lateral Ali Krieger, de 34 anos, tomou posição de apoio à companheira de time. 

- Eu me recuso a respeitar um homem que não merece respeito.Acho que ficar em silêncio pode favorecer o opressor e eu não quero que ela (Rapinoe) sinta que está passando por isso sozinha, porque muitas de nós têm o mesmo sentimento. Como uma de minhas amigas mais próximas, quero ter certeza de que ela não sinta isso - disse a jogadora, em entrevista à rede de notícias americanas CNN, nesta quinta-feira. 

Não foi a primeira vez, porém, que Krieger se pronunciou sobre o assunto. Depois que a atacante Rapinoe, no último dia 25 de junho, declarar que não compareceria à Casa Branca em caso de conquista, e receber resposta dura de Trump, a atleta do Orlando Pride publicou em sua conta no Twitter: 

-  Conheço mulheres que você (Donald Trump) não pode controlar. Eu fico do lado da Rapinoe. Eu não apoio essa administração, nem sua luta contra os cidadãos LGBT, imigrantes e os mais vulneráveis. 

ENTENDA A DISCUSSÃO

- Eu não vou para a porr* da Casa Branca -
disse Megan Rapinoe, à revista "Eight by Eight", no dia 25 de junho, sobre visitar Trump em caso de título dos Estados Unidos. 

No dia seguinte, 26 de junho, Donald Trump rebateu a jogadora em uma sequência de tweets publicados sua conta oficial no Twitter:

- Em nosso país, as ligas e os times amam visitar a Casa Branca. Eu sou um grande fã da seleção americana e do futebol feminino, mas Megan deve VENCER primeiro e depois FALAR! Termine o trabalho! Não convidamos ainda Megan e a seleção, mas agora eu estou convidando a SELEÇÃO, vencendo ou ganhando. Megan nunca deve desrespeitar nosso país. Tenha orgulho da bandeira que você está vestindo – escreveu Trump.

Os Estados Unidos encaram a Holanda na final da Copa do Mundo feminina, no próximo domingo, às 12h, em Lyon.