Eduardo Lucizano
21/12/2015
10:48
São Paulo (SP)

Ele formou, para muitos, o melhor lado esquerdo do futebol brasileiro no fim da década de 1990 e começo dos anos 2000. Ao lado de Kléber e Gil, Ricardinho fez parte de elencos vitoriosos do Corinthians e ainda foi campeão do Brasileiro pelo Santos. Pela Seleção, foi campeão do mundo em 2002.

Com o Timão, foram dois brasileiros, uma Copa do Brasil, um Mundial de Clubes, um Rio-São Paulo e dois paulistas. Ricardinho ganhou no total sete estaduais, com Santos, Atlético-MG e Paraná.

O ex-meia se aposentou e hoje é treinador. Cinco anos depois da estreia, Ricardinho ganhou o Pernambucano em 2015 pelo Santa Cruz e da segunda divisão paranaense com o Paraná. Já no papel de técnico, Ricardinho fez sua seleção da carreira com uma homenagem ao Corinthians bicampeão do Brasileiro em 1998 e 1999.

- Foi uma geração que marcou minha carreira, esse time é uma homenagem.

Goleiro: Dida
- Era fera, tranquilizava o time, tecnicamente muito bom. Tinha controle da área, sabia orientar. Goleiro precisa disso.

Lateral-direito: Cafu
- Um líder, jogador que sempre foi um exemplo, carregava o time, dedicado.

Zagueiro: Gamarra
- Jogava três ou quatro jogos seguidos e parecia que estava inteiro. Posicionamento perfeito, tempo de bola incrível. Parecia simples jogar.

Zagueiro: Batata
- Completava o Gamarra. Ele dava a 'porrada' e o Gamarra assoprava. Marcador, chegava nos caras mesmo.

Lateral-esquerdo: Kleber
- Primeiro queria fazer a menção ao Roberto Carlos, extraordinário. O Kleber era habilidoso, grande visão de jogo, chegou ao profissional e se adaptou rápido. Tinha personalidade, não tinha medo de jogar, sempre dava opção.

Volante: Rincón
- Jogava muita bola como meia e volante. Ele dominou a posição, sabia distribuir, liderar, orientar e até cobrar. Acima da média. 'Freddy era malvado'

Volante: Vampeta
- Fazia uma dupla perfeita com Rincón, não tinha melhor. Ele fazia na quela época o que pedem ao segundo volante hoje em dia, chegar na área, passar verticalmente e chutar.

Meia: Marcelinho Carioca
- Já falei para ele, se tivesse tido mais calma, tinha tido mais espaço na Seleção. Um jogador fantástico, completava minhas características, batia na bola como poucos, fazia gols. Se tivesse mais tranquilidade, teria jogado uma Copa do Mundo.

Meia: Ricardinho
- Não quero de falar de mim. Eu dei sorte de jogar com esses caras todos.

Atacante: Ronaldo
- Joguei pouco com Romário. Rivaldo foi genial. Mas o Ronaldo foi decisivo, tinha o dom de resolver a partida em uma jogada, desequilibrava.

Atacante: Edilson
- Jogador impressionante. Habilidoso, veloz, gostava de confronto, ia para cima, não tinha tempo ruim e sempre dava opção para os meias.