iOS 14 - Apple

(Foto: Divulgação)

LANCE!
22/11/2019
11:40
Rio de Janeiro (RJ)

Quando o iOS 13 foi lançado com o iPhone 11 em setembro, os desenvolvedores de aplicativos se depararam com uma série de falhas de software. Tendo em mente as inúmeras correções envolvendo o iOS, a Apple chegou a lançar a versão 13.1 do software menos de uma semana depois do seu lançamento oficial. E de acordo com a Bloomberg, a Apple está revendo a maneira como testa o sistema. Acontece que o chefe de software da Maçã, Craig Federighi, anunciou as mudanças em uma recente reunião interna com os desenvolvedores da empresa.

A nova abordagem exige que as equipes de desenvolvimento da Apple garantam que versões de teste de futuras atualizações de software desabilitem os recursos inacabados ou com bugs por padrão. Os testadores terão a opção de ativar seletivamente esses recursos, por meio de um novo processo interno e um menu de configurações, permitindo isolar o impacto de cada adição individual no sistema.

No iOS 13, os aplicativos falharam ou foram iniciados lentamente, e ocorreram erros na interface do usuário, problemas de pesquisa em todo o sistema e problemas ao carregar e-mails no Mail. Alguns novos recursos — como o compartilhamento de pastas de arquivos no iCloud e a transmissão de músicas para vários conjuntos de AirPods — estavam atrasados ​​ou ainda estão ausentes, o que representou uma das atualizações de sistema operacional mais problemáticas da história da Apple.

-
Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.
-

iOS 13 trouxe inúmeros problemas

O novo processo de desenvolvimento ajudará as primeiras versões internas do iOS a serem mais utilizáveis, e já está sendo aplicado ao desenvolvimento do próprio iOS 14, com o codinome "Azul" internamente, antes de sua estreia, que está prevista para o ano que vem. A Apple também considerou adiar alguns recursos do iOS 14 até 2021 — em uma atualização chamada "Azul +1" que, talvez, seja conhecida como iOS 15 externamente — para dar à empresa mais tempo para se concentrar.

Vale lembrar, ainda, que a mudança de teste será aplicada a todos os sistemas operacionais da Apple, incluindo iPadOS, watchOS, macOS e tvOS. O sistema operacional mais recente para computadores Mac, o macOS Catalina, também manifestou erros, como incompatibilidade com muitos aplicativos e mensagens ausentes no Mail. Alguns alto-falantes do HomePod, que executam um sistema operacional baseado no iOS, pararam de funcionar após uma recente atualização do iOS 13, levando a Apple a retirar temporariamente a atualização. As últimas atualizações do Apple Watch e Apple TV, por outro lado, foram mais tranqüilas.

Os executivos da Apple esperam que a abordagem de teste revisado melhore a qualidade do software da empresa em longo prazo, mas não é a primeira vez que os engenheiros da Apple ouvem isso da gerência, pois no ano passado, a empresa atrasou vários recursos do iOS 12 — incluindo redesigns para o CarPlay e a tela inicial do iPad — especificamente para que pudesse se concentrar na confiabilidade e no desempenho.

Em uma reunião geral em janeiro de 2018, Federighi disse que a empresa havia priorizado demais os novos recursos e deveria voltar a dar aos consumidores a qualidade e a estabilidade que eles desejavam primeiro. A Apple então se concentrou em resolver problemas de desempenho em partes específicas do iOS, e transferiu engenheiros de toda a divisão de software para tarefas como acelerar o tempo de inicialização do aplicativo, melhorar a conectividade de rede e aumentar a vida útil da bateria, então quando o iOS 12 saiu em 2018, era estável e exigiu apenas duas atualizações nos primeiros dois meses.

Esse sucesso não se repetiu neste ano, já que a versão inicial do iOS 13 era tão problemática que a Apple teve que se apressar em vários patches. Nos primeiros dois meses do iOS 13, houve oito atualizações.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech: