Gabriel Carneiro
05/12/2016
07:30
São Paulo (SP)

"O que influi e decidiu o jogo foi a torcida (...) Houve um momento em que me senti estrangeiro na doce terra carioca." Testemunha da Invasão Corintiana ao Maracanã, em 1976, Nelson Rodrigues eternizou o maior deslocamento de torcedores da história em sua coluna no jornal “O Globo” do dia 6 de dezembro daquele ano. Nesta segunda-feira, dia em que o Timão comemora 40 anos do feito histórico, as lembranças continuam presentes. E fortes.

– Quando jogávamos fora de casa, íamos no cantinho do estádio para cumprimentar a torcida. Sempre havia um grupo, como é até hoje. Mas naquele dia não foi preciso. A gente entrou em campo e logo viu a Fiel por todos os lados. A gente só foi para o meio-campo e fez a saudação normal, como se fosse o Pacaembu. Aquele dia é assim mesmo, jogamos no Maracanã como se fosse o Pacaembu – lembra, ao LANCE!, o lateral e ídolo Zé Maria.

O Timão não conquistava um título há 22 anos e sua torcida se mobilizou para a semifinal do Brasileirão, em 1976. Cerca de 70 mil corintianos (há quem jure que foi mais) foram ao Maracanã para o jogo único contra o forte Fluminense, de Rivelino e... Carlos Alberto Pintinho, que abriu o placar aos 18 minutos. Ruço empatou pouco mais de dez minutos depois e a forte chuva do Rio de Janeiro equilibrou a partida - o Flu era superior tecnicamente, mas na raça o Timão comandava.

Após o empate em 1 a 1 no tempo normal, duas defesas de Tobias nas cobranças de pênalti garantiram a classificação do Corinthians à decisão do Campeonato Brasileiro. A questão é que o jogo já estava ganho antes de começar...

O jogo já estava ganho quando os cerca de 300 ônibus tomaram a Via Dutra na noite de 4 de dezembro. O jogo já estava ganho quando a Polícia Militar fez uma operação especial para controlar o acesso dos corintianos ao Rio de Janeiro. O jogo já estava ganho quando os fiéis começaram a chegar de ônibus, carro particular, trem, avião, bicicleta e até a pé. Dizem. O jogo já estava ganho quando o preto e branco cobriu a capital fluminense, o Cristo Redentor e a praia de Copacabana. O jogo já estava ganho quando a torcida visitante dividiu o então maior estádio do mundo em meio a meio com os mandantes. O jogo já estava ganho.

Episódio à parte na história corintiana, a Invasão ganhou um filme em 2016, ano em que completa 40 anos. A produção foi dirigida por Ricardo Aidar e Alexandre Boechat - coincidentemente, um corintiano e um tricolor das Laranjeiras. A produção se baseia em entrevistas, depoimentos e imagens raras, que não estavam disponíveis ao público antes da produção do documentário. O ponto alto é a curiosa história de três torcedores que foram de Kombi de São Paulo ao Rio de Janeiro e desta vez refizeram a viagem acompanhados do goleiro Tobias, um dos heróis do jogo. Leia uma resenha.

O Corinthians perdeu a final do Campeonato Brasileiro de 1976 para o Internacional, mas no ano seguinte encerraria o jejum de títulos com o Campeonato Paulista. No ano da Invasão, campeã foi a Fiel.