LANCE!
27/10/2017
16:28
São Paulo (SP)

Citado pelo técnico Fábio Carille como um reserva "que resolve jogos", o atacante Clayson terá um reencontro especial neste domingo, em compromisso válido pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. Cinco meses após ser contratado pelo Corinthians, o jogador de 22 anos terá a possibilidade de enfrentar a Ponte Preta pela primeira vez e ainda atuar no estádio Moisés Lucarelli, onde acumulou boas atuações entre novembro de 2015 e maio de 2017.

A última exibição de Clayson no estádio da Macaca, aliás, foi inesquecível. Pouco antes de acertar com o Timão, o jogador atuou na goleada por 4 a 0 da Ponte Preta sobre o Sport, pela primeira rodada do Brasileirão, e fez dois gols. Ele teve o nome anunciado pelo Corinthians apenas quatro dias depois, quando o time da capital acertou o pagamento de R$ 3,5 milhões e ainda repassou o meia Léo Artur e o atacante Claudinho pela revelação do Paulista.

- No meu último jogo lá pude fazer dois gols e ajudar a Ponte. Foi uma partida difícil, contra o Sport, e conseguimos vencer. Tenho outras boas lembranças também... Um estádio que conheço bem e espero poder aproveitar isso, agora do outro lado. O carinho pela Ponte Preta é eterno, mas hoje estou do outro lado e tenho que defender com todas as minhas forças - diz Clayson, motivado a seguir ajudando o Corinthians no Brasileirão.

- Muita coisa mudou na minha vida. Eu me sinto totalmente adaptado ao Corinthians e sei das novas responsabilidades. Não temos conseguido repetir no segundo turno o que fizemos no primeiro, mas ainda estamos na liderança e sabemos das condições que temos para buscar esse título. Cabe a nós trabalhar e corrigir os erros para voltar a vencer. Se o Carille precisar de mim, estou à disposição e sempre muito motivado em ajudar.

Clayson tem 23 partidas, sendo apenas oito como titular, quatro gols marcados (todos no segundo turno do Brasileirão) e mais quatro assistências. Será o primeiro jogo do camisa 25 do Timão desde o episódio no estádio Nilton Santos, quando foi detido por policiais militares por uma suposta agressão a um membro da corporação. O jogador foi liberado do estádio depois do restante dos companheiros.