TÊNIS NEWS
22/06/2016
16:53
SÃO PAULO (SP)

As quadras do Parque Villa-Lobos se preparam para celebrar uma data importante na história da inclusão social, por meio do tênis, no Brasil: os 11 anos do Projeto Bola Dentro que, desde 2005, se dedica à formação sócio-educativa de crianças e adolescentes de baixa renda, residentes em áreas de vulnerabilidade da cidade de São Paulo.

Durante o evento, na próxima sexta-feira dia 24 de junho, o ex-tenista Flávio Saretta será anunciado como embaixador do projeto e porta-voz das atividades sociais. Logo após será servido um brunch aos convidados, com a entrega dos novos uniformes e a apresentação dos novos patrocinadores: Itaú, Rede e Raízen. Em seguida, um desafio de duplas será disputado entre os patronos e os alunos do Bola Dentro.

“É uma sensação incrível. Nessas horas percebo que todo o esforço valeu a pena. Um projeto sério, onde muitas crianças e jovens são transformados em cidadãos, em pessoas melhores e o mais gratificante: através do esporte que mais amo. Estou muito honrado e emocionado com o convite. Levarei para onde eu for o nome do Bola Dentro”, diz Flávio Saretta.

Diariamente, o projeto oferece aulas de tênis gratuitas em duas quadras do parque, acompanhamento psicológico, assistência social e avaliação de rendimento escolar de 200 alunos com idades entre 7 e 18 anos, e visa mostrar às pessoas, de qualquer classe social, que o tênis pode ser um esporte para todos. Mas, a proposta da ONG vai além do ensino do esporte. Mais que uma atividade física, o Bola Dentro representa para as crianças e adolescentes uma oportunidade de mudar de vida. Eles são orientados pelo coordenador Agostinho Carvalho, que faz parte da história do projeto desde o início, há 11 anos. “É um trabalho feito com muito amor pois melhora as vidas de muitas crianças. Por passarem tanto tempo nas quadras e nos torneios, elas aprendem muito, adoram jogar e saem com uma profissão dentro do tênis”.

Ao aliar esporte e educação, a iniciativa busca a transformação de cidadãos por meio de valores passados pela modalidade e constroi campeões, dentro e fora das quadras. Os resultados não demoram a aparecer. Os alunos, que começam como pegadores de bolas, podem se tornar rebatedores, professores, auxiliares, tenistas profissionais, juizes de linha e árbitros de cadeira. Alguns já foram convidados a atuar em grandes competições internacionais. “Temos hoje 20 juizes de linha e 4 árbitros ‘white badge’, que já estão na Europa e ficarão por lá até o torneio de Wimbledon. Há os que trabalham em clubes como menores aprendizes e depois vêm para cá, onde damos sequência ao aprendizado. Muitos professores de tênis que já foram nossos alunos, hoje repassam os ensinamentos que receberam a outras crianças e adolescentes do projeto. É algo extremamente gratificante. Eu digo que tenho duas vidas: a minha e a do projeto. Mas, na verdade, elas se misturam. Afinal, o Bola Dentro é a minha vida”, afirma Agostinho.