Bruno Cassucci
31/07/2016
06:20
São Paulo (SP)

A Seleção Brasileira não conseguiu curtir a vitória sobre o Japão no último sábado. A alegria dos jogadores e membros da comissão técnica na saída do gramado deu lugar à tristeza na chegada ao vestiário, quando foram informados da situação de Fernando Prass.

Assustados com o inchaço no cotovelo direito do goleiro e avisados de que ele muito provavelmente não conseguiria disputar a Olimpíada, os atletas tiveram reações diferentes. Alguns se calaram, outros tentaram apoiar o veterano de 38 anos. Coube a Neymar, capitão da equipe, falar a todos.

O elenco formou uma roda e o camisa 10 pediu a palavra, como habitual após os jogos. No discurso, tentou não só consolar o palmeirense como também motivar os demais, falando em jogar não só pelo ouro olímpico, mas também pelo goleiro.

O atacante passou por situação parecida em 2014, mas em outro papel. Ele se machucou nas quartas de final da Copa do Mundo e acabou cortado. Tal episódio foi mencionado pelo craque, mexendo com todos que ouviam.

Durante a fala de Neymar, alguns se emocionaram. Um deles foi o técnico Rogerio Micale, que ficou com os olhos marejados. Minutos depois, ainda abalado, tentou recuperar forças e foi conceder entrevista coletiva, na qual não quis dar detalhes sobre o que ocorreu com o goleiro.

Em duas semanas de convivência com o grupo da Seleção, Prass ganhou o respeito e a simpatia de muitos. O volante Thiago Maia, por exemplo, comentou aos jornalistas que se surpreendeu positivamente com o camisa 1. O mesmo ocorreu com outros atletas e funcionários.

O goleiro também estava empolgado com a primeira oportunidade na Seleção, aos 38 anos. Em Goiânia, ele recebeu a visita do pai, que pretendia acompanhá-lo de perto em todos os jogos da Rio-2016.

Depois de deixar o Serra Dourada, Prass foi ao hotel em que a Seleção se hospedou em Goiânia e, então, seguiu para uma clínica médica especializada em lesões do esporte. Lá, ficou por quase três horas, tendo dificuldades para realizar exames por conta das dores que sentia e do inchaço em seu cotovelo. Abalado, ele entrou e saiu sem dar entrevistas.

Tentado se recuperar da baixa do líder é jogador mais velho do elenco (Prass tem 38 anos), a Seleção viaja para Brasília na noite deste domingo. O Brasil esteia na Olimpíada na quinta-feira, contra a África do Sul, no Estádio Mané Garrincha.