Gabriela Brino e Russel Dias
08/02/2017
06:00
Santos (SP)

Madrugada de quinta-feira, 9 de julho de 2015, Goiânia. O Santos acabara de perder por 4 a 1 para o Goiás e entrava na zona de rebaixamento, com a iminência de demitir seu técnico. Mas a maior preocupação do capitão, Ricardo Oliveira, era achar o quarto do hotel em que  alguns garotos estavam para consolá-los. Ao entrar e ver Thiago Maia, que tinha 18 anos, o camisa 9 procurava acalmar e explicar a importância de aprender com uma derrota. 

O que membros da comissão técnica diziam repetidamente é que tudo ia passar e virar uma lição, mas Thiago demorou a acreditar. No mesmo ano, o camisa 29 seguiu como titular do Peixe e terminou finalista da Copa do Brasil, para no ano seguinte ganhar medalha de ouro inédita com a Seleção Brasileira na Olimpíada. Mas nesse intervalo de tempo, o jovem volante não parava de pensar em uma coisa.

- Eu sendo novo sabia que minha carreira tinha acabado. Todos os jogadores sendo xingados, aquela pressão em cima de mim. Eu entreguei dois gols, né? Foi uma goleada. Quando cheguei no hotel eu chorei muito. Renato, Elano, Ricardo, me aconselharam muito. Me deram muita motivação - comenta em uma de suas lembranças durante entrevista ao LANCE!.

No dia 8 de fevereiro de 2017, as preocupações de Thiago Maia passam bem longe da zona de rebaixamento e até mesmo do Campeonato Brasileiro. Pelo menos por enquanto.

Como todos os garotos de 19 anos ou até mais jovens, ele não esconde que sonha com a Europa e nem que tem um time dos sonhos: o PSG, da França, que já foi de Ibrahimovic e Ronaldinho Gaúcho, é de Lucas, Marquinhos, Thiago Silva, Di Maria e há muito tempo já foi de Raí.

Mas a ideia fixa em sua cabeça é, primeiramente, disputar a Libertadores como fizeram Renato e Clodoaldo, seu ídolos, companheiros de clube e fiéis conselheiros. Conselheiros daqueles que palpitam até em renovação de contrato.

- Deus vem me abençoando e não posso esquecer de citar ele, mas aqui na Terra certeza que o Clodoaldo e o Renato, até o próprio Ricardo Oliveira me ajudaram muito. O Corró foi fundamental pra minha renovação (de contrato). Ele conversou muito comigo para eu ficar, eu já tinha um pé na Europa, estava
prestes a assinar um contrato pra eu ir embora, e ele também conversou com minha mãe, com meus empresários, entramos em um acordo e deu tudo certo. Espero ser um dia que nem ele,como Renato, porque como dizem, os jogadores vivem de títulos e eu quero ser lembrado com títulos e espero que seja aqui no Santos - confessa.

Por falar em Libertadores, o volante cobiçado por europeus de diversos países por ser jovem e moderno taticamente promete até mudar o estilo se for necessário para jogar na Libertadores. Não pense que a elegância e os passes rápidos não podem dar lugar a faltas mais duras, carrinhos ou cartões. O estreante na maior competição da América já tem na ponta da língua tudo que é necessário para o Santos conquistar a taça pela quarta vez.

- Se precisar, a gente tem que chegar, a gente está defendendo um grande clube que é o Santos. Sempre se fala que em qualquer competição que o Santos entra, ele entra pra ser campeão. Tenho certeza que se for necessário o Vanderlei dar carrinho na área, ele vai dar, o Ricardo na frente, a gente no meio, os laterais... Vai ser uma competição totalmente diferente do que a gente já disputou. Deus vem me preparando nesses anos em que eu estava no profissional para chegar na Libertadores e fazer um bom campeonato. Espero que a gente conquiste. Eu sei que não vai ser fácil, tem muitos clubes qualificados e se tiver que chegar duro, a gente vai chegar - avisa.

"Ele (Clodoaldo) conversou muito comigo para eu ficar, eu já tinha um pé na Europa, estava
prestes a assinar um contrato pra eu ir embora, e ele também conversou com minha mãe, com meus empresários, entramos em um acordo e deu tudo certo.", Thiago Maia

Confira a entrevista exclusiva com Thiago Maia:

Por que essa predileção pelo PSG enquanto a maioria dos garotos falam em Barcelona, Real Madrid ou Bayern de Munique?


Eu me identifico com o PSG, cada um tem o seu sonho.Muita gente me critica. Hoje as pessoas querem viver o sonho de outras pessoas e acaba atrapalhando. Eu me identifico muito com o que o pai do Marquinhos falou, pelo que a família e o próprio Marquinho falaram. A estrutura, o clube, país em si é muito bom. Não quer dizer que por ser meu sonho, eu vá direto para lá, se vier um Barcelona, um Real Madrid, eu vou ter que pensar com muita calma, já
que são grandes clubes do mundo, não só da Europa. Mas eu fico feliz, é um grande sonho meu e eu espero que se realize.

Você deu duas assistências em um jogo e já é o líder no quesito. Por que está servindo mais?

Acho que são os treinos que o Dorival vem me passando. O que fazemos no treino a gente tem que fazer no jogo. Eu acho que estou ajudando o Lucas Lima ali no meio, em questão de marcação e também de dar passe. Porque todo mundo foca mais nele e acaba esquecendo dos jogadores no meio. Isso está sendo fundamental na minha carreira, comecei com o pé direito com o grupo, com vitória. É o começo, temos que continuar com a humildade que a gente tem e focar no Campeonato.

Você chamou a atenção de times da Europa de países diferentes. Por que acha que isso aconteceu?

Sim, os caras lá de fora gostam muito de brasileiro. Os brasileiros tem algo que o pessoal de lá de fora não tem. Isso será fundamental na minha carreira. Tenho certeza que terão outros grandes clubes atrás, ainda mais agora que estou pegando um pouco mais de experiência, então espero que quando eu sair, sair para um grande clube lá fora.

Você veio de Roraima, uma região que tem muito mais torcedores de times do Rio de Janeiro. Mas por sua causa, muitas pessoas de lá vestem camisas do Santos...

Eu fico muito feliz de ver os garotos falando que quando o Santos joga, por mais que sejam flamenguistas, corintianos, eles torcem paro Santos. Eu não trabalhei tanto só pra ser reconhecido. É muito gratificante ver os garotos se espelhando, mas a ficha ainda não caiu paro tamanho da importância que eu sou para o estado. Eu ganhei uma medalha de honra, é a maior honra que um cidadão pode ganhar do seu estado,fiquei muito feliz, até agradeço o pessoal de Roraima por esse reconhecimento. É um fruto de muito trabalho, desde pequeno meu pai me levava para os campos, minha mãe me incentivando. Isso me ajudou bastante.